1 de setembro de 2015

Ocupação em Goiás é batizada com o nome de Dom Tomás Balduíno

Da Página do MST


A ocupação da Agropecuária Santa Mônica entra em seu segundo dia com mais de 3.000 famílias Sem Terras já organizadas em barracos e pequenas cozinhas. O acampamento foi batizado com o nome de Dom Tomás Balduíno, uma homenagem ao bispo emérito de Goiás que dedicou a sua vida na luta pela Reforma Agrária.

Jovens realizam encontro da juventude camponesa, Minas Gerias

Da Página do MST


Sob o tema “Juventude rural: a força da agricultura familiar”, cerca de 50 jovens se reuniram na Escola Agrícola de Unaí para a realização do 1° Encontro de Jovens de Unaí, entre os dias 29 a 31 de agosto.

Projeto acaba com juros compensatórios por desapropriação para Reforma Agrária


Por Noéli Nobre
Da Agência Câmara de Notícias

A Câmara analisa o Projeto de Lei 940/11, dos deputados petistas Marcon (RS), Luci Choinacki (SC) e Valmir Assunção (BA), que proíbe o pagamento de juros compensatórios, pela União, nos processos de desapropriação para fins de Reforma Agrária. O texto também revoga dispositivos da legislação atual sobre o assunto, para descriminalizar as ações sociais pela reforma agrária.

A luta vitoriosa de famílias gaúchas de sem terra por um pedaço de chão


Por Igor Natusch
Do portal Sul 21


Para muitos, um pedaço de terra é mais do que uma conquista: é uma luta que nunca se encerra. Depois das longas marchas, das ocupações e da espera pela desapropriação, vem outra etapa para aqueles que, até este momento, chamávamos de sem terra. Com poucos recursos, muitas vezes sem conhecer bem o chão onde construirão os alicerces de seu futuro, resta a centenas de famílias o esforço para tirar do solo o que dele se espera. O assentamento, longe de ser o final de uma saga, é apenas o começo de um novo e longo episódio.

População moçambicana protesta contra reajuste de preços de produtos básicos

Por Boaventura Monjane e Maria Gorete De Maputo As cidades de Maputo e Matola, no sul de Moçambique, estão praticamente paradas com uma manifestação popular, em diversos pontos, especialmente nos bairros da periferia, onde vivem as camadas mais desfavorecidas. A população manifesta contra a constante subida dos preços dos produtos básicos, sem que o governo reajuste os salários e melhore o nível de vida da população. Entra em vigor nesta quarta-feira novas tarifas de água potável e eletricidade.