Meio-ambiente é debatido na Cúpula pela Integração dos Povos

Por Ângela Vargas Fonte Minga Informativa Ontem, as organizações e movimentos sociais presentes na Cúpula pela Integração dos Povos, que acontece essa semana em Cochabamba, na Bolívia, definiram a integração como única forma de desenvolvimento e sustentabilidade. Os participantes discutiram e pensaram como agir e interagir com o meio que cerca os povos originários e […]

Por Ângela Vargas
Fonte Minga Informativa

Ontem, as organizações e movimentos sociais presentes na Cúpula pela Integração dos Povos, que acontece essa semana em Cochabamba, na Bolívia, definiram a integração como única forma de desenvolvimento e sustentabilidade. Os participantes discutiram e pensaram como agir e interagir com o meio que cerca os povos originários e camponeses e como contrapor-se à exploração.

Para garantir a viabilidade deste novo modelo, foi apontada a necessidade da regulamentação de consultas públicas ao povo, por exemplo, sobre a exploração de terra e recursos naturais por empresas públicas ou privadas.

Foram propostos, entre outros, cursos de educação ambiental e o desenvolvimento de um turismo sustentável, que valorize a cultura dos povos originários, protegendo o meio ambiente, gerando renda as comunidades e promovendo a preservação ambiental.

A necessidade de leis que regulem os impactos culturais sofridos pelos povos originários quando submetidos ao modelo de exploração também foi discutida.

A carta final com as propostas da Cúpula pela Integração dos Povos será entregue aos presidentes dos países latino-americanos que participam da Conferência Oficial.

Para mais informações sobre a Cúpula pela Integração dos Povos, acesse: http://www.movimientos.org