João Pedro Stedile recebe pelo MST homenagem da Câmara

[img_assist|nid=10950|title=|desc=|link=none|align=center|width=640|height=420]João Pedro Stedile recebe das mãos do deputado Brizola Neto medalha da Câmara

Por Mayrá Lima
Da Página do MST

A medalha “Mérito Legislativo” é concedida a personalidades, brasileiras ou estrangeiras, que realizaram ou realizam serviço de relevância para a sociedade. Solenidade aconteceu no Salão Negro do Congresso Nacional, na tarde de quarta-feira.

[img_assist|nid=10950|title=|desc=|link=none|align=center|width=640|height=420]João Pedro Stedile recebe das mãos do deputado Brizola Neto medalha da Câmara

Por Mayrá Lima
Da Página do MST

A medalha “Mérito Legislativo” é concedida a personalidades, brasileiras ou estrangeiras, que realizaram ou realizam serviço de relevância para a sociedade. Solenidade aconteceu no Salão Negro do Congresso Nacional, na tarde de quarta-feira.

Mesmo sendo considerada a ‘casa do povo’, são raras as vezes que um trabalhador é reconhecido por sua luta e organização em busca de justiça social. Ainda mais se este trabalhador for um camponês. Invertendo o senso comum, a Câmara dos Deputados, pela primeira vez, faz homenagem com a medalha Mérito Legislativo ao militante Sem Terra João Pedro Stedile.

A indicação partiu do deputado federal Brizola Neto (PDT/RJ), líder da bancada do seu partido na Câmara, como uma forma de trazer a reflexão à luta pela terra e o uso que vem sendo feito dela.

Para o deputado, a indicação é uma homenagem mais do que merecida. “A medalha será um símbolo para o Congresso Nacional, que tomou essa iniciativa, mesmo com alguns tentando criminalizar as ações do movimento”. Ele diz ainda que a contribuição que Stedile deu ao país é a luta que vem travando nesses anos todos pela terra

Leia também
Blog da Reforma Agrária: Folha, a premiação do MST e a gravidade
Galeano: “nao é frequente encontrar evidencias de que a justiça existe”

O deputado é neto de Leonel de Moura Brizola, um dos maiores líderes da esquerda brasileira no século 20 e defensor da Reforma Agrária, que abriu um processo de distribuição de terras quando foi governador do Rio Grande do Sul, entre 1959 e 1963, frente às lutas dos camponeses.

De acordo com o deputado Dr. Rosinha (PT/PR), a homenagem significa o reconhecimento da importância histórica da luta travada pelo MST para o desenvolvimento do país e revela um avanço da Câmara dos Deputados enquanto instituição pública.

“São os militantes dos movimentos sociais, entre eles o MST, que colocaram nas últimas décadas a questão da reforma agrária como uma questão prioritária na agenda do país. O combate ao latifúndio e às desigualdades sociais no campo, através da organização popular, está entre os grandes méritos de João Pedro Stedile e do MST”, disse.

Reação de classe

Inconformada com a iniciativa, a Bancada Ruralista reforça seu ódio de classe contra os Sem Terra. O deputado Abelardo Lupion (DEM-PR), fundador da União Democrática Ruralista do Paraná, ameaçou entrar com uma medida de agravo contra o reconhecimento. Para o deputado Rosinha, a reação demonstra “que eles não conseguem conviver com a democracia”.

“A direita brasileira, aliás, não admite que os pobres possam se organizar, reivindicar e participar da vida política do país. Essas mesmas figuras que agora tentam atacar uma homenagem legítima a um movimento social jamais se levantaram para fazer uma única denúncia sequer contra os grandes grileiros de terra no Brasil”, completou.

Medalha

Instituída em 1983, a medalha é concedida anualmente a personalidades, entidades ou instituições que realizaram ou realizam serviço ou ação de relevância para a sociedade. Receberão a medalha este ano 32 personalidades e 2 entidades.

Para a Mesa Diretora da Câmara dos Deputados, que institui o prêmio, “na Casa estão os representantes do povo brasileiro. Nada mais justo que esses representantes, em sua relação com a sociedade, façam um reconhecimento do trabalho dessas pessoas que colaboram com o desenvolvimento do nosso Brasil”.

Outros 33, entre entidades e personalidades, serão agraciados pela mesma medalha. Dentre eles estão o vice-presidente, José Alencar, indicado pelo presidente da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP); o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ricardo Lewandowski, indicado por Cândido Vacarezza (PT-SP); o ministro de Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende, indicado por Inocêncio Oliveira (PR-PE) e a economista Maria da Conceição Tavares, indicada por Arlindo Chinaglia (PT-SP).