Campanha latino-americana busca apoio pelo fim das tropas da ONU no Haiti

Do dia 16 de setembro até 15 de outubro, novas assinaturas podem somar-se ao manifesto pela retirada da Minustah do país, que já completa 11 anos.

 

minu.jpg

Do Brasil de Fato

Diante de um novo ciclo de debates sobre da renovação ou não da Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (Minustah), movimentos populares, organizações sociais, redes e personalidades de toda a América Latina estão organizando uma campanha para tentar interromper a ocupação militar no país que já completa 11 anos.

Como primeiro passo, os organizadores da campanha, entre eles a Articulação Continental dos Movimentos Sociais na ALBA, pedem para que mais movimentos, organizações e pessoas enviem assinatura para o documento “Não em nosso nome – Que retirem as tropas e cessem a ocupação no Haiti já!”. A ideia é pressionar as autoridades e os países que ainda auxiliam na operação, como o Brasil, Argentina, Bolívia, El Salvador, Perú, Uruguai, entre outros.

O período da campanha é estratégico uma vez que o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) iniciou na última quarta-feira (16) uma roda de conversas para discutir a questão. A discussão deve se encerrar em 15 de outubro, quando o Conselho de Segurança deve anunciar se a missão permanece ou não no país.

“Por mais de 11 anos , ouvimos as desculpas oferecidas para tentar justificar a abolição da soberania do povo haitiano e a violação do seu direito à autodeterminação. É tempo de pôr de lado as mentiras e enganos e ouvir a voz das comunidades e organizações no Haiti, que exigem respeito pela sua dignidade, seus direitos, sua capacidade. Haiti não é uma ameaça para a paz e a segurança hemisférica, como o Conselho de Segurança diz a cada 15 de outubro, quando renova o mandato da Minustah”, diz trecho da carta enviada pela campanha contra a ocupação militar.

 

HaitiFace.png

Também na carta, os organizadores afirmam que a Minustah tem falhado em seu propósito e de ter manipulado eleições – como a realizada em 2010/2011 para escolha do presidente do país -; além de ser responsável por inúmeras violações de direitos humanos que incluem casos de violência e abuso sexual de mulheres haitianas.

“Finalmente, fazemos um forte apelo às organizações sociais de nossa região e para a comunidade internacional e agências multilaterais universais e regionais que têm sido parte de uma forma ou outra, em diferentes fases deste processo infeliz no Haiti, a adotar medidas reais de solidariedade com o povo irmão do Haiti, apoiados pelo respeito inabalável a soberania e auto- determinação, de modo a reforçar e aumentar experiências de cooperação e construção de poder popular já existentes no Haiti. Viva ao Haiti livre e soberano!”, finaliza o documento.

Já assinam o manifesto diversos organizações e pessoas de países latino-americanos, entre os do Brasil estão o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), o Jubileu Sul Brasil, a União de Negros Pela Igualdade (Unegro) e a Associação dos Professores da PUC-SP; além de Frei Betto, a historiadora Virgínia Fontes e o jornalista Mário Augusto Jakobskind.

A íntegra do documento pode ser acessada aqui. Para assina-la, basta encaminha um email para haiti.no.minustah@gmail.com.