Mulheres do MST se solidarizam com agricultoras e agricultores em greve de fome

Josi Costa, Leila Denis e Frei Sérgio Görgen Meurer iniciaram a greve de fome “contra o consenso criado em torno da necessidade de aprovação da Reforma da Previdência.

WhatsApp Image 2017-12-06 at 20.20.12.jpeg

 

Da Página do MST

 

As mulheres do MST, em nome do conjunto do Movimento, emitiram uma nota de solidariedade e de enérgica firmeza direcionada às militantes e ao militante do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) que iniciaram uma greve de fome desde a segunda-feira (5) para, num ato de protesto e apelo, impedir a votação da reforma da Previdência. 

Josi Costa, Leila Denis e Frei Sérgio Görgen Meurer iniciaram a greve de fome “contra o consenso criado em torno da necessidade de aprovação da Reforma da Previdência e as constantes ameaças e negociatas para colocar em votação nos próximos dias”, reflete a nota. Confira o texto:

As mulheres do MST se solidarizam com Josi Costa, Leila Denis e Frei Sergio Görgen Meurer, da coordenação nacional do MPA – Movimento dos Pequenos Agricultores, em greve de fome desde às 7h30 de ontem (05), no Congresso Nacional. 

A greve é uma legítima manifestação contra o consenso criado em torno da necessidade de aprovação da Reforma da Previdência e as constantes ameaças e negociatas para colocar em votação nos próximos dias. 
Ato extremo, a greve de fome, escancara as mentiras dos discursos uníssonos dos poderosos, da mídia, dos congressistas golpistas, do governo usurpador, dos banqueiros, do Banco Mundial e do grande capital, únicos beneficiários da PEC 287/2016.

A agressiva proposta de Reforma da Previdência, está à serviço das empresas de previdência privada e na prática representa a privatização dos direitos públicos previdenciários de milhares de trabalhadoras e trabalhadores. E em nada combate os alardeados privilégios existentes.

Josi, Leila e Frei Sergio lutam com seus próprios corpos, pelas mulheres, pelas professoras, pelas camponesas e camponeses, pelos assalariados rurais, que terão que trabalhar por 40 anos no corte de cana (ou outro) pra ter uma aposentadoria integral. 

Seguiremos na luta sempre! E o ato político da greve de fome faz parte desta luta. Venceremos!! 

Setor de Gênero do MST

 

 

*Editado por Rafael Soriano