MST repudia ordem de prisão ao ex-presidente do Equador, Rafael Correa

“Não podemos aceitar mais essa forma de judicialização da política”, diz nota.

 

 

Da Página do MST

 

NOTA DE REPÚDIO

O MST repudia veementemente a perseguição política ao ex-presidente da Republica do Equador, Rafael Correa, que teve contra si, nesse dia 3 de julho de 2018, uma ordem de prisão preventiva determinada pela juíza equatoriana Daniella Camacho.

Correa responde judicialmente por um suposto envolvimento no sequestro do deputado do Equador Fernando Balda, ocorrido na Colômbia em 2012.

Mesmo sem nenhuma prova que o relacione ao sequestro de Balda, havia uma determinação judicial para que se apresentasse periodicamente diante da Corte Nacional, iniciando nesta segunda-feira (02). Porém, por morar na Bélgica, o ex presidente solicitou que essa determinação fosse cumprida ao se apresentar no Consulado do Equador, no país que reside, o que foi negado pela juíza.

A perseguição à classe trabalhadora pela maioria do poder judiciário é histórica, no entanto, se aprofunda e se amplia ainda mais nos últimos tempos com processos de perseguição política a líderes de Estados legitimados pelo povo como é o caso de Correa no Equador e Lula no Brasil.

Não podemos aceitar mais essa forma de judicialização da política e nos somamos a outras vozes que se solidarizam e apoiam Rafael Correa, exigindo a imediata revogação dessa ordem de prisão injusta.

São Paulo, 4 de julho de 2018.

Direção Nacional do MST

 

 

*Editado por Rafael Soriano