Jornada Mineira de alfabetização participa do 24º Grito dos Excluídos em Minas Gerais

Em Teófilo Otoni, o “Sim, eu posso!” foi para as ruas pelo direito de ler e escrever e por um Brasil popular, que caiba os trabalhadores e as trabalhadoras

Foto - Flávio Vermelho (12).jpeg
Foto Flávio Vermelho 

 

Por Agatha Azevedo e Maria José
Da Página do MST 

 
Neste dia 7 de setembro, participantes do programa de alfabetização: “Sim, eu Posso!” participaram da tradicional marcha do Grito dos Excluídos, que tomou as ruas de Belo Horizonte para dizer que existe toda uma população que está excluída de voz e de direitos nas cidades.

As educandas e os educandos que já estão escrevendo e lendo trouxeram seus cartazes escritos de próprio punho.  Também participaram educadoras e educadores que, demonstrando seu compromisso e amor pela educação ao lado da militância do MST, fizeram uma grande doação de alimentos saudáveis para o povo da cidade, compartilhando a luta pela Reforma Agrária, que é Popular.

Foto - Flávio Vermelho (7).jpeg
Foto Flávio Vermelho 

Mobilizações 

Esse ano o lema do grito foi: “Desigualdade gera violência: basta de privilégios!”.

Com manifestações carregadas de simbolismo, o Grito é um espaço de animação e profecia aberto e plural onde grupos, entidades, igrejas e movimentos sociais comprometidos se unem com as causas dos excluídos.