Saiba onde encontrar alimentos produzidos pelas famílias Sem Terra no Paraná

Para além das doações, o MST comercializa alimentos a preço justo em diversos locais, organizados principalmente através de cooperativas, associações e coletivos. Confira!

Produção de Alface Agroecológica. Foto: Jaine Amorin

“Comercializar é um ato político também! Porque a gente não tá simplesmente vendendo uma mercadoria a gente está comercializando uma ideia, uma relação diferente com a natureza, uma relação diferente entre as pessoas.” Ceres Hadich

Por Jaine Amorin/Setor de Comunicação e Cultura MST-PR
Da Página do MST

Se alimentar de forma saudável é um direito humano. No entanto, podemos perceber que o aumento dos preços dos alimentos nos supermercados faz com que até mesmo os “não-saudáveis” não estão chegando na mesa do povo trabalhador. E, na outra ponta, vemos o valor do auxílio emergencial diminuir de R$600,00 para R$300,00. Será que o governo está tentando matar o povo de fome?

Na contramão das decisões econômicas do Governo, o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) realiza doações de alimentos às famílias vulneráveis. Somente no Paraná já foram doados mais de 430 toneladas de alimentos, desde o início da pandemia. Alimentos produzidos pelas famílias Sem Terras e entregues diretamente às famílias urbanas que necessitam.

Para além das doações, o MST comercializa alimentos a preço justo em diversos locais, organizados principalmente através de cooperativas, associações e coletivos. A produção de alimentos é uma forma de resistência das famílias Sem Terras.

Porecatu. Foto: Diego Ferreira

“Os alimentos produzidos pela reforma agrária no Paraná e em todo o Brasil tem um vínculo muito forte com uma reflexão acerca dos sentidos da produção de alimentos saudáveis. Sentido da libertação da terra, a gente ocupa o latifúndio para poder produzir e reproduzir relações diferentes daquelas que o latifúndio e agronegócio historicamente reproduziram”, esclarece a Dirigente Nacional do MST, pelo Paraná, Ceres Hadich.

O Paraná tem 330 assentamentos, formados por cerca de 30 mil famílias e aproximadamente 80 acampamentos, onde vivem mais de 7 mil famílias. A produção e comercialização de alimentos têm como bases 21 cooperativas e 51 agroindústrias, que trabalham com a industrialização de mais de 50 produtos.

Hadich comenta sobre a importâncias das cooperativas. “As nossas cooperativas da Reforma Agrária têm se apresentado como uma ferramenta fundamental de diálogo com a sociedade, mas também uma ferramenta fundamental para organizar nossa produção, nossa comercialização e escoamento dos nossos produtos.”

Bituruna. Foto: Josiane Grossklaus

A compra de alimentos diretamente dos agricultores é mais viável pela eliminação dos intermediários e do transporte de alimentos, que além de diminuir o custo você consome alimentos frescos e o agricultor tem um lucro maior.

Segundo o último censo agropecuário realizado em 2017, cerca de 77% dos estabelecimentos agrícolas são da agricultura familiar e ocupam apenas 23% da área total disponível para atividades agrícolas. Ou seja, menos de 30% ocupam mais de 70% de toda a área agricultável. Mas o que isso tem a ver com você que consome alimentos? Segundos dados do governo, 70% dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiras são oriundos da agricultura familiar. Portanto, quem abastece o Brasil não é o tão falado ‘agronegócio pop”, e sim a esquecida Agricultura familiar.

Ceres Hadich, afirma que “comercializar produtos da reforma agrária é, portanto, comprar também produtos oriundos das áreas de reforma agrária e muito mais do que um sentido comercial tem um sentido social, político, cultural.”

Feira. Foto: Jaine Amorin

Em meio ao aumento dos preços dos alimentos nos supermercados, uma pesquisa do Uol Notícias aponta que a demanda por alimentos do MST subiu 30%.

E você já pensou em mudar seu consumo para alimentos da Reforma Agrária e fortalecer esse projeto? Se sim, confira abaixo onde encontrar esse alimentos produzidos pelo MST no Estado do Paraná.

MUNICÍPIOS: Antonina,Morretes, Paranaguá, Pontal, e Pontal do sul, no litoral do Estado – Pré Assentamento José Lutzemberger


Cooperativa: Filhos da Terra
Formato de venda: Entrega quinzenal de Cestas Agroecológicas; Sede da Cooperativa.
Produtos: Alimentos In natura e Processados pela Cooperativa, e Cosméticos e Medicinas naturais.
Contato: Fone: (41) 9 9928-9933 e (41) 9 8700-5337 | Facebook: @coopofit

MUNICÍPIO: Curitiba


Coletivo: Produtos da Terra PR
Formato de venda: Cestas e feiras
Produtos: In natura, processados oriundo de diversas cooperativas do MST do Paraná e de outros Estados.
Contato: www.produtosdaterrapr.com.br | Instagram @produtos_da_terra_pr

MUNICÍPIO: Castro


Cooperativa: COOFRAM
Formato de venda: Cestas agroecológicas em Castro e região.
Produtos: In natura e processados da cooperativa COOFRAM.
Contato (falar com Rosana): (42) 9 9938-3039

MUNICÍPIO: Paranacity


Cooperativa: COPAVI
Formato de venda: Sede da Cooperativa e Entrega de Cestas de alimentos (entregas somente em Paranacity)
Produtos: In natura e processados da cooperativa
Contato: (Falar com Valmir): E-mail: comercialcopavi@gmail.com | Fone: 44 3463 1367 | Instagram e Facebook @copaviofical

MUNICÍPIO: Londrina

Cooperativa: COPACON
Formato de venda: Feiras no município, entrega de cestas e sede da Cooperativa.
Contato: E-mail: cooperconquista@hotmail.com | Fone: 43 9.9993-5835
Produtos: In natura

Coletivo: Sacolas Agroecológicas Do Coletivo Das Mulheres Do Eli Vive.
Formato de venda: Entrega de Cestas em Londrina.
Produtos: In natura
Contato: (Falar com Ivanete): Fone: (43) 9 9941-6828

Coletivo: Feirão Virtual NA resistência da reforma agrária
Formato de venda: Entrega de cestas fechadas (valor fixo) e abertas (livre para escolha dos produtos);
Produtos: In natura e Processados da Cooperativa Copacon
Contato: (falar com Jovana: (43) 9 9993-2463

MUNICÍPIO: Laranjeiras do Sul

Associação: Sítio Agroecológico Vida Nova
Formato de Venda: Entrega de cestas Agroecológicas semanais, nas terças-feiras, em Laranjeiras do Sul
Produtos: In natura fornecido pelas famílias certificadas do Grupo de Orgânico 8 de Junho e Processados da cooperativa Coperjunho.
Contato: (falar com Thaile) (42) 9 9809-7911 | Instagram e Facebook @ sitio.vida.nova

Associação: Terra Livre
Formato de Venda: Entrega de cestas Agroecológicas semanais, nas terças e sextas-feiras, em Laranjeiras do Sul
Produtos: In natura fornecido pelas famílias certificadas do Grupo Orgânico Recanto da Natureza e processados da associação Terra Livre
Contato: (Falar com Angela) Fone: (42) 9862-7951 | Siti: www.recantodanatureza.com.br | Instagram: @asterralivrerecanto

Agroindústria: Amorin Alimentos
Formato de Venda: Loja fixa
Produtos: In natura Agroecológicos, Processados da Agroindustria Amorin Amlimentos e da Cooperativa Coperjunho.
Contato: (falar com Ivandro) (42) 9 9989-7901 | Facebook @amorinalimentos

MUNICÍPIO: Jardim Alegre

Cooperativa: COCAVI
Formato de Venda: Sede da Cooperativa
Produtos: In natura e processados da cooperativa COCAVI
Contato: (falar com André) (43) 9 9808-2411

MUNICÍPIO: Ortigueira

Cooperativa: Coprauf
Formato de Venda: Sede da cooperativa
Produtos: In natura e processados da cooperativa
Contato: (falar com Evandro): (42) 9 9907-9215

*Editado por Fernanda Alcântara