MST repudia afastamento de profissionais da saúde de Atalaia (AL)

Nota relata como decisão afeta o povo pobre de Atalaia e da Ouricuri
Médico e a enfermeira que atuavam na UBS da região foram afastados afetando diretamente centenas de usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Foto: Arquivo MST

Da Página do MST

A partir da decisão da prefeitura de Atalaia sobre o afastamento de profissionais da saúde da Unidade Básica de Saúde (UBS), do Povoado Ouricuri, na Zona da Mata de Alagoas, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) denuncia e repudia o descaso com a população do povoado, que também atende uma série de assentamentos e acampamentos da região.

Desde o último dia 10, o médico e a enfermeira que atuavam na UBS foram afastados sem qualquer informação prévia para a comunidade, afetando diretamente centenas de usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

“Esperamos que a decisão seja revista, e o bom senso prevaleça, não apenas no retorno dos profissionais às suas funções, mas também que diversas questões existentes neste início de gestão no que se refere à condução daquela UBS sejam sanadas para o verdadeiro benefício da população local”, destaca trecho da nota emitida pelo Movimento.

Confira na íntegra:

Nota de Repúdio ao afastamento de profissionais da UBS do Povoado Ouricuri, Atalaia, Alagoas

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST, repudia publicamente a decisão da Prefeitura Municipal de Atalaia, sem nenhuma discussão ou esclarecimento prévio aos usuários, em afastar dois profissionais de saúde da Unidade Básica de Saúde do Povoado Ouricuri.

Nos 37 anos de existência do MST no Brasil, 34 em Alagoas e nos 23 no município de Atalaia, buscamos sempre através da luta pela terra, fazer a defesa do povo e a luta pela conquista de direitos fundamentais conforme preconiza a Constituição Federal.

E aqui, nas terras de Atalaia, sempre reivindicamos que dentre tantas outras necessidades, o acesso à saúde fosse garantido a todos e todas, em especial nas localidades onde conquistamos os assentamentos de Reforma Agrária.

No último dia 10 foram afastados de suas funções o médico Edwin Garcia Ramirez e a enfermeira Sara Jane Teixeira Barros. E até o dia de hoje a comunidade ficou sem a assistência destes profissionais ou qualquer informação oficial a respeito.

Nosso repúdio à decisão que, indiscutivelmente, afeta aos Usuários do Sistema Único de Saúde, ou seja, o povo pobre de Atalaia e da Ouricuri.

Nosso repúdio à frustração de expectativas de uma população que votou numa possibilidade de mudança que, em sua essência, ainda não se mostrou.

Nosso repúdio à continuidade da velha política mal vestida de mudança, de transparência e de eficiência, que se mantém colocando os interesses de uma minoria em detrimento da sociedade atalaiense.

Isso num momento delicado como o que vivemos, em meio a uma pandemia que já matou mais de 240 mil brasileiros e brasileiras, e que o SUS cumpre um papel de suma importância.

Esperamos que a decisão seja revista, e o bom senso prevaleça, não apenas no retorno dos profissionais às suas funções, mas também que diversas questões existentes neste início de gestão no que se refere a condução daquela UBS sejam sanadas para o verdadeiro benefício da população local.

E ao povo da Ouricuri a nossa solidariedade e disposição de luta para que nenhum retrocesso ocorra para prejudicar ainda mais a nossa comunidade.

Alagoas, 17 de Fevereiro de 2021.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA – MST