Bicicletas para Zâmbia

Camponeses zambianos recebem primeiras bicicletas para favorecer campanha de alfabetização no país

Foram distribuídas 100 bicicletas novas para todos os educadores e educadoras voluntários na Campanha de Alfabetização e Agroecologia, desenvolvida pelo MST junto com o Partido Socialista
A entrega das bicicletas faz parte da parcela do valor já arrecadado para aquisição das primeiras unidades, que a Brigada Internacionalista do MST na Zâmbia, Samora Machel, está responsável. Foto: Brigada Samora Machel

Por Brigada Samora Machel
Da Página do MST

Durante a primeira quinzena do mês de agosto, a Campanha “Bicicletas para Zâmbia” realizou a distribuição de 100 bicicletas novas, da meta de 10.500 bicicletas (novas e/ou usadas), para todos os educadores e educadoras voluntários na Campanha de Alfabetização e Agroecologia, desenvolvida pelo MST junto com o Partido Socialista.

Paula França, da Brigada Internacionalista Samora Machel, relata que os educadores são muito apreciados nestes territórios e que todos ficaram contentes com a possibilidade de qualificar o processo que vem ocorrendo.

“É uma ação de solidariedade muito bonita e muito grandiosa, não só pelos números, mas pelo nível do desafio que assumimos, organizamos um coletivo, construímos um método de alfabetização e estamos colocando em prática junto aos companheiros zambianos.”

Essa entrega se refere à pequena parcela do valor já arrecadado para aquisição das primeiras unidades e que a Brigada Internacionalista do MST na Zâmbia, Samora Machel, está responsável. Além das contribuições individuais, a campanha é apoiada por organizações internacionais, como a Whyhunger, dos EUA. O próximo passo será conseguir 2 mil bicicletas para contemplar todos os educandos desta etapa da Campanha, que aos todo pretende alfabetizar 10.500 camponeses.

A educadora zambiana, Judite Mwalemb, comenta sobre como o acesso a um meio de transporte contribuirá para a promoção da campanha de alfabetização desenvolvida no país.

“Isso (a bicicleta) me ajudará, e aos outros professores, a visitar nossos alunos. Há momentos em que alguns não podem vir, porque ficam muito longe, outros estão perto, mas temos dificuldades para visitá-los. Porém, com a bicicleta devemos conseguir fazer isso para saber porque não podem vir à escola.”

Além de encurtar distâncias entre educador-educando, essa ação movimenta o acesso a um dos maiores direitos humanos, a educação. “A escola de alfabetização vai percorrer um longo caminho, porque algumas pessoas não sabem como escrever seus nomes, porque alguém diz: “isso é muito dinheiro”, quando realmente não é. Mas, se alguém souber ler e escrever seria uma ajuda para saber quem são e também poderão trazer desenvolvimento para a comunidade”, conclui Mwalemb.

A ação ocorreu nas províncias de Western, Eastern e Lusaka. Nessas duas últimas, foram visitadas cinco comunidades, 22 turmas, 440 educandos das turmas de alfabetização. Porém, o momento de entrega das bicicletas foi acompanhado por mais pessoas da comunidade. Já em Western foram visitadas três comunidades e oito turmas.

A educadora e militante do MST, Elizabeth Cerqueira, afirma que essa foi uma das principais atividades desenvolvidas para promover a continuidade da Campanha de Alfabetização e Agroecologia Fred M’bembe. “Uma das principais, porque os professores dessas comunidades tiveram também um período de aulas paradas por conta da Covid-19, então, além das bikes, entregamos os kits de higienização sanitária e de máscaras, para que continuemos a campanha dentro dos protocolos exigidos.”

Doe bikes para Zâmbia e contribua com a alfabetização

A bicicleta é o principal e mais popular meio de transporte na Zâmbia. Ainda assim, o deslocamento de grande parte da população é um tema desafiador e muitas pessoas precisam caminhar entre 15 e 30 km diariamente para chegar à escola. Nesse sentido, a campanha de solidariedade internacional “Bicicletas para Zâmbia” é um projeto que busca arrecadar, inicialmente, 30.000 euros para a aquisição de 10.500 bicicletas (novas e/ou usadas) para educandos e educadores das turmas de Alfabetização e Agroecologia no país e ajudar no acesso dessas pessoas às aulas.

A alfabetização é crucial para permitir a utilização de serviços e direitos básicos de saúde, educação e cidadania. A Zâmbia tem o inglês como um dos oito idiomas oficiais (são sete línguas locais mais o inglês), mas apesar de ser a língua utilizada nas instituições oficiais, não é falada por mais da metade da população, formada por mais de 72 etnias e línguas distintas, entre as quais é predominante o grupo Bantu, do qual fazem parte comunidades com vasta diversidade cultural, presentes em 22 países africanos. 

A campanha do MST ocorre no marco das Jornadas de Lutas do Centenário Paulo Freire, em subsídio à Campanha de Alfabetização e Agroecologia Fred M’membe, que atua em três províncias zambianas: Lusaka, Eastern e Western.

O processo de formação é baseado no método “Falar, Ler e Escrever as Palavras e o Mundo”, de inspiração freireana e coordenado pela Brigada Internacionalista do MST Samora Machel e pelo Partido Socialista (Socialist Party).

Como doar

Os interessados podem doar à Campanha de Bicicletas por meio da plataforma GoFundMe: https://www.gofundme.com/f/bikes-for-zambia

Para doações no Brasil, use o PIX: adm1@brasilpopular.org.br

*Editado por Solange Engelmann