Mulheres se mobilizam em solidariedade a presa política do MST no Paraná

“Nós mulheres Sem Terra, lutamos contra a criminalização dos movimentos populares e contra a prisão e perseguição política de integrantes do MST”

 

Da Página do MST 

Março chega e traz consigo a energia incomparável dos dias de enfrentamento contra o patriarcado e o Capital que tanto oprime as mulheres.

Neste dia 8 de Março, desde a madrugada, as mulheres camponesas estão nas ruas, praças e plenários de todo o estado do Paraná, denunciando o golpe no Brasil, debatendo suas consequências para a classe trabalhadora e apontando a organização e mobilização das mulheres como parte do fortalecimento e emancipação da classe trabalhadora.

Em defesa do direito à Previdência pública e à aposentadoria digna, nos colocamos contra essa reforma da Previdência, e por isso ocupamos pacificamente as agências do INSS no estado. Nosso intuito é despertar a sociedade e a classe trabalhadora, e dialogar sobre os reais objetivos e consequências da proposta de reforma da Previdência do governo Temer golpista.

Lutar é um direito 

No norte paranaense, nos municípios de Apucarana, Rolândia e Londrina, mais de 800 mulheres estão mobilizadas contra a proposta da reforma da Previdência e demais medidas golpistas do governo Temer. As mulheres também estão mobilizadas no Fórum de Londrina, denunciando a criminalização dos movimentos populares e a prisão arbitrária de militantes, em especial da companheira Fabiana Braga, 22 anos, presa injustamente desde novembro de 2016.

“Nos colocamos em marcha, para denunciar e dialogar com a sociedade paranaense e brasileira sobre a necessidade de sairmos às ruas e defendermos os direitos da classe trabalhadora”, afirmam camponesas. 

Como já expressa o lema da Jornada de Mulheres do MST, é preciso que estejamos constantemente despertas contra o Capital e o Agronegócio, que diariamente atenta contra a vida no campo, principalmente a das mulheres.

É o mês de lutas, das mulheres, das camponesas. É chegada a hora das mulheres tomarem as ruas e mostrar sua força e rebeldia.

“Seguimos em luta, pois lutar é um direito. Nós mulheres Sem Terra, lutamos contra a criminalização dos movimentos populares e contra a prisão e perseguição política de integrantes do MST. Exigimos liberdade imediata de Fabiana e aos presos políticos do MST!”, salientam.

Campanha de solidariedade 

Neste 08 de março, levante também a bandeira da solidariedade pela liberdade da presa política do MST no Paraná, Fabiana.

Façam faixas com as frases e levem para os atos:

– Mulheres contra a criminalização da luta popular
– Libertem Fabiana a presa política do MST

17156232_1482808428458533_3052594471666268340_n.jpg

PARTICIPE:

– Imprima a imagem ao lado ou escrevam: Libertem a Fabiana
– Junte apoiadores e tirem uma foto com o cartaz;
– Envie para nós por mensagem direta;
– Compartilhe no seu mural com as tags “LibertemAFabiana “MulheresEmLuta e “8M!

Sigamos todas despertas! Liberdade à Fabiana já!

JORNADA NACIONAL DE LUTAS DAS MULHERES SEM TERRA

 

Edição: Iris Pacheco