JURA

Jornada Universitária começa série de atividades no Paraná em homenagem ao Centenário Paulo Freire

Evento integra diversas iniciativas das Universidades no Paraná em ações com MST
Ações de solidariedade têm sido o carro chefe das lutas desenvolvidas pelo MST no Paraná. Foto: Wellington Lenon

Da Página do MST

A Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária Popular (JURA) teve início neste sábado (17/4), no Paraná, de forma on-line. Em sua 8ª edição, o evento integra diversas ações que envolvem Universidades no Estado em conjunto com o MST.

A JURA Paraná 2021 tem como tema “Lutas e resistências no campo e na cidade – Centenário Paulo Freire”, em homenagem aos 100 anos de nascimento do professor e pesquisador brasileiro de referência nacional e internacional na área da Educação.

Na programação, a JURA Paraná 2021 contará com uma série de atividades programadas para início neste abril e encerramento em novembro deste ano. As diversas ações serão realizadas de forma remota e descentralizadas, devido à pandemia da Covid-19. Entre elas, palestras, cursos, mostras de vídeos, oficinas, atividades culturais, entre outras.

A cada mês, uma Universidade ficará responsável pelas inscrições on-line para emissão de certificados. Neste abril, as inscrições serão feitas pela pela Universidade Federal da Integração Latino-Americanca (UNILA), em Foz do Iguaçu.

A abertura da 8ª Jornada aconteceu neste sábado (17), durante o Ato Político-Cultural Internacional em Memória aos 25 anos do Massacre de Eldorado dos Carajás, evento remoto, pelo canal do MST no Youtube e retransmissão pelas redes sociais das diversas entidades parceiras. O ato marcou a memória dos 21 trabalhadores Sem Terra assassinados em um dos maiores massacres já realizados no campo no Brasil e visa denunciar a sua impunidade.

No sábado, das 14h-16h, também aconteceu a Mesa de debate com o tema “Geografia e Educação do Campo: Diálogos emancipatórios na formação de educadores do campo”, tendo como convidado Rodrigo Camacho, professor do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Educação e Territorialidade (PPGET), na Faculdade Intercultural Indígena (FAIND) da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).

O evento teve como mediador Célio Rodrigues, integrante do pré-assentamento Emiliano Zapata, em Ponta Grossa. A mesa de debate organizada pelo Núcleo de Pesquisa em Educação no Campo (NEPECAMP), da Universidade Tuiuti do Paraná, com apoio da Agência de Jornalismo do Curso de Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), aconteceu pelo pelo canal do MST no Youtube e na página Mídia Sem Terra, no Facebook, com retransmissão pelas redes sociais das entidades parceiras.

Na segunda-feira (19/4), também estão previstas três atividades: 14h30-15h, Atividade Cultural: 25 anos do Massacre de Eldorado dos Carajás, com a participação do cantor e compositor Pedro Munhoz; das 15h-16h30, a mesa de debate “Questão Agrária e Desafios da Luta por Reforma Agrária Popular na Atualidade, com a convidada Kelli Mafort, da Coordenação Nacional do MST; e das 19h-21h, o lançamento do documentário “Três Alves – Uma breve história da migração Guarani no Oeste Paranaense”, produção pela L’avant Filmes.

Essas três atividades também serão realizadas online, através do canal do MST no Youtube e na página Mídia Sem Terra, no Facebook, com retransmissão pelas redes sociais das entidades parceiras.

A programação da JURA Paraná 2021 é totalmente gratuita e inscrições pela UNILA podem ser feitas até este sábado (17), para obtenção de certificados.

Passo a passo para inscrição AQUI.

JURA PARANÁ 2021 pode ser acessada pelos canais:

MST: Youtube

Mídia Sem Terra: Facebook

A organização da JURA Paraná 2021 integra as seguintes entidades parceiras: Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento de Mulheres camponesas (MMC), Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA), Universidade Estadual do Oeste Paraná (Unioeste), Universidade Estadual de Londrina (UEL), Universidade Federal do Paraná (UFPR), Universidade Estadual do Paraná (Unespar), Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro), Instituto Federal do Paraná (IFPR), Universidade Federal da Fronteira Sul/ Campus Laranjeiras do Sul, Núcleo de Pesquisa em Educação no Campo (NUPECAMP) da Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Agência de Jornalismo UEPG (Curso de Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa), Sindicato dos Docentes da Unioeste (Adunioeste), Núcleo de Pesquisa em Comunicação Popular (NCP/UEL), Editora Expressão Popular, Escola Popular de Planejamento da Cidade (EPPC), Observatório da Questão Agrária no Paraná, Grupo de Estudo e Pesquisa em Educação na Diversidade no Campo (Gespedic/Unespar), Centro de Apoio e Promoção da Agroecologia (CAPA), Laboratório Trabalho e Movimentos Sociais (Unioeste Marechal Cândido Rondon), Laboratório de Geografia das Lutas no Campo e na Cidade (Geolutas/ Unioeste), Associação dos Geógrafos Brasileiros (AGB), Grupo de Pesquisa em Educação do Campo, Cooperação e Agroecologia (GECCA-UFFS), Grupo de Pesquisa Saberes em movimento a luta por terra e trabalho na América Latina (Unila) e Grupo de Pesquisa em Educação, Estado Ampliado e Hegemonias (GPEH/UEL).