MT tem o maior percentual de terras nas mãos de estrangeiros

 

Do Valor Econômico

 

Cerca de 20% do território de Mato Grosso está nas mãos de estrangeiros. É o Estado brasileiro com maior percentual de terras sendo ocupadas por pessoas ou empresas de outros países. No total, 19,99% das propriedades rurais mato-grossenses são de estrangeiros não-residentes no Brasil.

“Não queremos ver terras transformadas em commodity”

 

Do Valor

A tendência de manutenção de preços altos dos alimentos na próxima década aumenta o interesse comercial por terras agrícolas e eleva seu valor em grandes países exportadores e novos produtores.

No Brasil, a alta do valor da terra vem sendo “gradativa e permanente”, segundo o ministro da Agricultura, Wagner Rossi, atento a um certo tipo de investimento no setor. “Não queremos ver nossas terras transformadas numa commodity financeira, para especuladores estrangeiros”, afirmou ao Valor.

O que os estrangeiros querem da nossa agricultura

 

Por Mauro Zaflon
Da Folha de S. Paulo

O Brasil, que já esteve sob o olhar estrangeiro nos últimos anos, deverá ficar ainda mais atraente nos próximos.

A crise alimentar, que já provocou tumultos em várias regiões em anos recentes, poderá se acentuar com o avanço da população e se houver interrupções de produção de alimentos devido ao clima.

Capital estrangeiro avança sobre produção de frutas


Do Valor Econômico

O agronegócio tem despertado interesse de investidores de China, Coreia do Sul, Indonésia e Índia, países com os quais o Ministério da Agricultura tem fóruns de negócios em andamento.

Biodiesel é o que atrai o grupo indiano Shree Remuka Sugars Ltd., um dos maiores do setor sucroenergético, que formou uma joint venture para a produção de açúcar e etanol – a Usina Revati, no interior de São Paulo -, com investimento previsto de R$ 226 milhões. Ele já é dono da Vale do Ivaí Açúcar e Álcool, no Paraná.

Indústria do eucalipto toma 720 hectares por dia no país


Da Folha de S. Paulo

O Brasil ganhou nos últimos anos 720 hectares por dia de plantações de eucalipto. A quantidade, estimada pela Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas, equivale a 4,5 parques Ibirapuera ou a 960 campos de futebol.

Parte das novas áreas pertence a empresas estrangeiras, como a sueco-finlandesa Stora-Enso, que viraram um dos principais alvos de críticas de grupos como o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais sem terra).

A árvore é utilizada na fabricação de papel, celulose e carvão vegetal ou aproveitada como madeira.