Latifúndio improdutivo impede desenvolvimento de regiões no Maranhão

 


Por Reynaldo Costa
Da Página do MST

No Município de Bom Jesus das Selvas, centro oeste do Maranhão, a área urbana da cidade só cresce beirando a rodovia, que corta a localidade ao meio. Isso acontece porque imensos latifúndios impedem o surgimento de novas moradias.

Uma área grilada com cerca de 12 mil hecatres pertencente a União – como consta um relatório da Superintendência de Regularização Fundiária da Amazônia Legal -, havia sido ocupada este ano por cerca de 300 famílias sem terra.

Setores do Poder Judiciário atrasam desapropriações


Por Vanessa Ramos
Da Página do MST

Um balanço sobre a eficácia do Incra durante o governo Lula demonstra a existência de mais de 200 processos de desapropriação suspensos por juízes.

Leia a íntegra da entrevista com Valdez Adriani Farias, procurador federal do Incra de Santa Catarina, sobre a atuação do instituto.

Você acha que os instrumentos legais do Incra são eficientes?

Desapropriações de latifúndios e os gargalos da Reforma Agrária


Por Vanessa Ramos
Da Página do MST

O 2º Plano Nacional de Reforma Agrária (PNRA), elaborado durante o primeiro mandato do presidente Lula, previa desapropriar 30 milhões de hectares de terras para assentar um milhão de famílias. Tratava-se, portanto, de desapropriar uma quantidade grande de terras, hoje nas mãos de latifundiários.

No entanto, inúmeros tropeços e dificuldades enfrentados pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) prejudicaram a implementação das medidas que garantiriam a desapropriação das terras.

Veja também

Famílias assentadas são ameaçadas de despejo em SP

Leia abaixo nota divulgada pelas famílias assentadas na Fazenda Jamaica, em Pereira Barreto (SP), notificadas para que deixem a área em que estão legalmente assentadas desde 2008.

Solicitação de apoio às famílias ameaçadas de despejo em Pereira Barreto (SP)

É com tristeza que nós, famílias assentadas na Fazenda Jamaica, no município de Pereira Barreto (SP), recebemos a notícia de que teremos que desocupar a área.

Via Campesina cobra do Incra área no norte do RS

Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento dos Atingidos por Barragens ( MAB) e o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), realizam hoje uma reunião com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). A reunião, que acontece nesta segunda-feira, às 14h, terá como objetivo a averiguação da situação da Fazenda Inveja, área em disputa judicial há mais de 30 anos. Os movimentos organizados na Via Campesina reivindicam a desapropriação da área para a Reforma Agrária.