ENFF forma primeira turma do NE de introdução às obras de Marx

Por Gustavo Marinho
Da Página do MST

“Estudo, trabalho e luta permanente. A causa socialista, ninguém tira da gente”. Essa foi a palavra de ordem que marcou a formatura de mais uma turma da Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF) no Curso de Introdução Sistemática às Obras de Karl Marx.

Reunindo militantes da Via Campesina Brasil do Nordeste e da região amazônica, a Turma Carlos Nelson Coutinho finalizou o curso na última sexta-feira (01/08), no Ceará, na cidade de Fortaleza, após seis etapas de estudo dos principais escritos de Marx.

Por Gustavo Marinho
Da Página do MST

“Estudo, trabalho e luta permanente. A causa socialista, ninguém tira da gente”. Essa foi a palavra de ordem que marcou a formatura de mais uma turma da Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF) no Curso de Introdução Sistemática às Obras de Karl Marx.

Reunindo militantes da Via Campesina Brasil do Nordeste e da região amazônica, a Turma Carlos Nelson Coutinho finalizou o curso na última sexta-feira (01/08), no Ceará, na cidade de Fortaleza, após seis etapas de estudo dos principais escritos de Marx.

O curso, que já passou pelas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, formou pela primeira vez uma turma Norte-Nordeste no estudo e leituras introdutórias do legado teórico deixado por Marx.

Para Marcelo Braz, professor da Faculdade de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, “o curso cumpre um papel fundamental, que é tirar o medo de estudar e conhecer  Karl Marx a partir de uma visão introdutória e abrangente das suas principais obras”.

“Carlos Nelson foi um grande militante que cumpriu a tarefa de ser um incansável educador e propagador das ideias de Marx. Além de ser Nordestino, que faz uma referência importante para a nossa turma, Carlos Nelson é uma figura que merece ser lembrada e homenageada por todos os lutadores e lutadoras”, destacou Davi Gomes, um dos formandos da turma, na mística de encerramento do curso pela homenagem à Carlos Nelson Coutinho com a escolha para o nome a turma.

Pela Escola Nacional Florestan Fernandes, Iris Carvalho destacou o papel da Escola e do papel que cumpre formação política, que deve ser uma constante tarefa dos militantes.

“Pelos 30 anos que passaram, o nosso Movimento está em luta permanente na construção de uma nova sociedade e há 10 anos, com a construção da Escola Nacional, reafirmamos nosso compromisso, dia após dia, com um espaço de formação de quadros, na aliança com outros países e demais movimentos sociais na disputadas ideias”.