Nota de pesar pelo falecimento do companheiro Eder Biazatti

“Na luta de classe, acumulamos vitórias e derrotas, e seguimos. Mas a perda de um combatente, é a dor que mais fica”

Da Página do MST

Eder Biazatti. Foto: Arquivo Pessoal

Foi com muita dor que o MST recebeu a triste notícia da partida do camarada Eder Biazatti, vítima da Covid-19. Cria das CEBs, militante forjado na luta, vereador eleito no último pleito pelo PT em Ji-paraná (RO). O “Eder do sindicato”, como também era conhecido, era um grande admirador do MST, e um dos articuladores da Frente Brasil Popular. Eder era o tipo de militante que garantia a ciranda de que “ninguém solta a mão de ninguém”, não importava a organização em você atuava. Para ele, o mais importante era saber de que lado você estava.

Era um aglutinador por excelência, sujeito sempre muito certeiro em suas posições, tinha a premissa de primeiro ouvir, e depois falar, conseguindo com que muitas vezes concordássemos com suas posições.

Um militante versátil, fazendo sempre com muita perfeição as tarefas a que a ele cabia. Tarefas estas que incluíam organizar o povo na base para participar dos processos de lutas do sindicato dos trabalhadores e trabalhadores rurais, do partido, da comunidade e da Frente Brasil Popular. Era eclético, pois com sua forma humilde e carinhosa de falar, com o manuseio de seus versos poéticos e com tinido de seu violão, animou plenárias e marchas por onde passou.

Eder era natural de Colatina Espírito Santo, tinha 39 anos de idade e deixa esposa e três filhas.
O MST em Rondônia estende aos familiares nosso carinhoso abraço e toda solidariedade.

“…e seguimos, com a dor que mais fica”

*Editado por Fernanda Alcântara