Dez empresas dominam de 60% a 70% do que consumimos nos mercados

 

Da Repórter Brasil

Talvez passe despercebido àqueles que vão ao supermercado que um conjunto pequeno de grandes transnacionais concentra a maior parte das marcas compradas pelos brasileiros. Dez grandes companhias – entre elas Unilever, Nestlé, Procter & Gamble, Kraft e Coca-Cola – abocanham de 60% a 70% das compras de uma família e tornam o Brasil um dos países com maior nível de concentração no mundo. O que sobra do mercado é disputado por cerca de 500 empresas menores, regionais.

Alimentação, uma manifestação cultural e um ato político


Da IHU

“A gente só vai dar importância à culinária se ressignificarmos o ato de cozinhar como um investimento de bem-estar e um momento de partilha da família e dos membros que estão compartilhando aquele momento”, afirma Maria Laura Louzada, ao encerrar a conferência Guia alimentar – desafios e possibilidades para o Brasil e os brasileiros, na noite da quarta-feira, 08-10-2014, no Auditório Central da Unisinos.

O que há na nossa mesa? Guia Alimentar estuda o comportamento da sociedade


Por Bruno Pavan
Do Brasil de Fato

Fast-Foods, grandes corporações alimentícias nacionais e internacionais e o uso cada vez mais desmedido de agrotóxicos nas lavouras são os principais inimigos da mesa do cidadão brasileiro. Foi essa a conclusão que o Núcleo de Pesquisa Epidemiológicas em Nutrição e Saúde da Universidade de São Paulo (NUPENS – USP) chegou com a publicação do Guia Alimentar Brasileiro.

Comida industrial: adoecendo as pessoas e o planeta

Por Silvia Ribeiro
Do La Jornada

As cinco doenças mais comuns no México estão ligadas à produção e ao consumo de alimentos provenientes da cadeia agroalimentar industrial: diabetes, hipertensão, obesidade, câncer e enfermidades cardiovasculares. Algumas totalmente, outras parcialmente, mas nenhuma dissociada.

Saiba o que tem na sua comida e sobreviva se for capaz



Por Najar Tubino
Da Carta Maior

A indústria da alimentação deverá faturar em 2014 US$5,9 trilhões, segundo estimativa da agência britânica dedicada à pesquisa sobre consumo e marcas – The Future Laboratory.

O mercado global de snacks (bolinhos, biscoitos, salgadinhos) deverá movimentar US$334 bilhões.

As vendas de chocolates e confeitos vão faturar US$170 bilhões.

Pela Soberania Alimentar dos Povos

Por Sebastian Valdomir
REDES – Amigos da Terra – Uruguai

Para o dirigente do MST e da Via Campesina, João Pedro Stedile, o Fórum de Soberania Alimentar que aconteceu no final de fevereiro em Mali, na África, foi um importante momento na articulação entre redes internacionais e movimentos sociais que tem um objetivo comum: conquistar a soberania alimentar.