Jornada une campo e cidade no Paraná

Por Pedro Carrano

Alagamentos, falta de rede de energia elétrica. Dias de seca e falta de água, asfalto e saneamento nenhum. Parecem problemas pontuais e específicos, mas são comuns às populações de diferentes vilas e apontam para o abandono dos trabalhadores na região metropolitana do Paraná, a partir da relação mal resolvida entre município, governo do estado e prefeitura da capital.

Reforma Agrária: uma bandeira da sociedade

Por Artur Henrique*

ESPECIAL PARA A PÁGINA DO MST

A CUT é parceira histórica do MST e tem orgulho disso. A busca por um novo modelo agrário para o Brasil é luta mais que justa, digna. É também de interesse de todos os brasileiros e brasileiras, pois a reforma agrária e a valorização da agricultura familiar são fatores de desenvolvimento nacional, de soberania, de inteligência estratégica frente a um modelo econômico exaurido, para rumar a uma nova sociedade.

MST faz ato por Reforma Agrária no Rio de Janeiro nesta terça

Nesta terça-feira (20/4), às 12h, trabalhadores e trabalhadoras Sem Terra que ocupam o Incra do Rio de Janeiro promovem um ato de apoio à Reforma Agrária. O ato faz parte da Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária, que este ano traz o lema ‘Lutar não é crime’.

Segue abaixo a convocatória para o ato.

ÀS ENTIDADES E PESSOAS AMIGAS DO MST

Governador do Paraná reafirma apoio à Reforma Agrária

Da Agência de Notícias do PR

O governador Orlando Pessuti e a ministra do Desenvolvimento Social, Márcia Lopes, participaram, nesta sexta-feira (16) em Curitiba, da audiência pública sobre a reforma agrária. O encontro promovido pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) quer a articulação do Governo do Paraná junto ao Governo Federal para o assentamentos de 6 mil famílias no Estado.

Trabalhadores de Campinas promovem atividades contra criminalização das lutas sociais

O MST e o Movimento dos Trabalhadores Desempregados (MTD) promovem duas atividades em Campinas (SP), nesta sexta-feira (9/4) e sábado (10/4), contra a criminalização dos movimentos sociais.

A mesa de discussão Contra a Criminalização dos Movimentos Sociais reunirá representantes do MST, MTD, Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e da fábrica ocupada Flaskô a partir das 14h desta sexta-feira (9/4), no MIS (Museu de Imagem e Som) – rua Regente Feijó, n° 859, centro de Campinas.

Pesquisador dos EUA lança livro sobre o MST em Porto Alegre

O cientista político e professor da American University, em Washington (Estados Unidos), Miguel Carter, lançou nesta segunda-feira (5/4), em Porto Alegre (RS), o livro “Combatendo a Desigualdade Social: o MST e a Reforma Agrária no Brasil”. A atividade aconteceu no Plenarinho da Assembleia Legislativa do RS e contou com a presença de integrantes de movimentos sociais, pastorais, organizações da juventude e demais militantes e interessados em geral.

Ato em defesa de Cuba: participe!

Nós, do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), convocamos tod@s @s militantes de movimentos sociais, do movimento sindical progressista, dos partidos progressistas e tod@s @s que tremem de indignação diante de uma injustiça cometida contra quer ser humano, em qualquer parte do mundo, para um ato de solidariedade a Cuba diante da ofensiva contra-revolucionária que está em curso.

Questão fundiária é tema de debate do Fórum Social Urbano

O presidente da Associação Brasileira de Reforma Agrária (Abra), Plínio de Arruda Sampaio, a arquiteta e professora da Universidade de São Paulo Hermínia Maricato e o ex-Procurador de Terras do Estado do RJ, Miguel Baldez, participam nesta quinta-feira (25/3) do debate “A Questão Fundiária”, durante a programação do Fórum Social Urbano 2010, no Rio de Janeiro.

“MST contribui para a democratização do país”, diz pesquisador dos EUA

O pesquisador dos Estados Unidos Miguel Carter, professor da School of International Service da American University Washington DC, afirmou que a luta do MST pela Reforma Agrária contribui para a democratização da sociedade brasileira, nesta sexta-feira (19/3), em São Paulo. “O MST tem contribuído muito para fazer avançar a democracia no Brasil”, sustentou.

Segundo ele, a superação da elevada desigualdade social no país é um pré-requisito para o seu desenvolvimento. “A grave e extrema desigualdade social atrapalha o crescimento econômico e a democracia”.

Rede de comunicadores pela reforma agrária lança manifesto

Está em curso uma ofensiva conservadora no Brasil contra a reforma agrária, e contra qualquer movimento que combata a desigualdade e a concentração de terra e renda. E você não precisa concordar com tudo que o MST faz para compreender o que está em jogo.

Uma campanha orquestrada foi iniciada por setores da chamada “grande imprensa brasileira” – associados a interesses de latifundiários, grileiros – e parcelas do Poder Judiciário. E chegou rapidamente ao Congresso Nacional, onde uma CPMI foi aberta com o objetivo de constranger aqueles que lutam pela reforma agrária.

Sem Terra recebe comenda em Alagoas

A militante do MST Débora Nunes recebeu do governo do Estado de Alagoas no último dia 8 de março, Dia Internacional de Lutas das Mulheres, a comenda Nise da Silveira. O título foi criado por decreto estadual para homenagear mulheres que desempenham papel relevante para a sociedade alagoana. Débora Nunes, membro da Direção Nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), recebeu a comenda das mãos da desembargadora Elisabeth Carvalho (presidente do Tribunal de Justiça), a terceira na linha de sucessão do Governo do Estado, na ausência de Teotônio Vilela.

Comunicadores articulam rede de apoio à Reforma Agrária

Na próxima quinta-feira (11/3), jornalistas promovem em São Paulo uma reunião para articulação da rede de comunicadores em apoio à reforma agrária e contra a criminalização dos movimentos sociais.

O encontro, mediado por João Pedro Stedile (da coordenação do MST), Paulo Henrique Amorim (blog Conversa Afiada) e Rodrigo Vianna (blog o Escrivinhador), acontece no auditório do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo (R. Rego Freitas, 530), às 19h. Participe!

Leia abaixo a convocatória dos comunicadores

Denuncie a ofensiva dos setores conservadores contra a reforma agrária!

Criminalização deixa movimentos sociais alagoanos em alerta

Na tarde do último domingo (28/2), um dia após a reocupação da fazenda Capim, acampamento 1º de Novembro, em Inhapi-AL, o assentado José Aparecido Costa da Silva foi abordado por cinco viaturas da Polícia Militar quando se deslocava de sua casa, no assentamento Frei Damião, para o centro da cidade. O agricultor relata que teve suas algemas tiradas dentro da viatura e que passou cerca de três horas rondando pela zona rural de Inhapi, sendo ameaçado de morte e recebendo pressões dos policiais.

Entidades exigem libertação de Sem Terra em AL

Os movimentos sociais de Alagoas iniciam uma grande movimentação para pressionar as autoridades pela libertação de José Aparecido, preso no último domingo (28/2) em repressão à reocupação da fazenda Capim, acampamento 1º de Novembro, na zona rural de Inhapi. Em visita do advogado a Cido, o militante se encontrava abatido e relatou que foi mal tratado. As entidades ligadas à luta pelos Direitos Humanos já estão recebendo os alertas.