Dez empresas são donas de 73% das sementes de todo o mundo

Por  La Rel – UITA

Podem as grandes multinacionais agroquímicas se converterem nos donos dos alimentos que a Terra produz? Podem essas mesmas empresas transformar a natureza e suas sementes em sua exclusiva propriedade privada?

A resposta provoca espanto: Sim! Por esse motivo, a fonte dos alimentos do planeta em que vivemos está hoje em risco. Dez empresas agroquímicas são donas de 73% das sementes que existem no mercado internacional.

Após duas décadas de ataque às sementes, empresas apertam o cerco

 

Germán Vélez (Grupo Semillas)*
Da Revista Biodiversidade

As sementes têm sido o eixo fundamental do sustento, da soberania e da autonomia alimentar dos povos. Acompanham a humanidade desde a criação da agricultura, há milhares de anos. As sementes são o fruto do trabalho coletivo e acumulado de gerações de agricultores e caminharam com eles de comunidade em comunidade, se adaptando a cada ambiente e às necessidades dos povos. Expressam-se em múltiplas formas, cores, nutrientes e sabores.

“O Brasil é o país onde crescemos mais com transgênicos”


Do Valor Econômico

As sementes modificadas geneticamente já representam a maior parte dos negócios da Pioneer no mundo. O insumo gerou US$ 3,1 bilhões em receita para a empresa em 2009 – 66% do total de US$ 4,7 bilhões registrados no ano. Em volume, as sementes transgênicas já representam quase a totalidade das vendas nos grandes mercados.

Braço de sementes da multinacional americana DuPont, a Pioneer tem trabalhado fortemente suas sementes nos segmentos de soja e milho, dois carros-chefes do agronegócio internacional.