agronegócio

patrimônio ameaçado

Comida, patrimônio ameaçado

Começa, nas redes sociais, campanha para preservar culturas alimentares — pressionadas por agronegócio, industrialização obsessiva, padronização do gosto e normas sanitárias obsoletas.

“É impossível combater a fome sem lidar com o controle dos recursos naturais”

 

Por Bruno Pavan
Do Brasil de Fato


Em novembro do ano passado acon­teceu em Roma (Itália), a 2ª Conferên­cia Internacional de Nutrição (CIN 2). Apesar de alguns avanços no combate à fome no mundo em relação ao primeiro encontro, realizado em 1992, um dado ainda assusta: em pleno século 21, 850 milhões de pessoas são cronicamente subnutridas.

Dez empresas dominam de 60% a 70% do que consumimos nos mercados

 

Da Repórter Brasil


Talvez passe despercebido àqueles que vão ao supermercado que um conjunto pequeno de grandes transnacionais concentra a maior parte das marcas compradas pelos brasileiros. Dez grandes companhias – entre elas Unilever, Nestlé, Procter & Gamble, Kraft e Coca-Cola – abocanham de 60% a 70% das compras de uma família e tornam o Brasil um dos países com maior nível de concentração no mundo. O que sobra do mercado é disputado por cerca de 500 empresas menores, regionais.

Com maioria no Congresso, ruralistas tentam “legalizar a contaminação”

 

Por João Vitor Santos
No IHU-Online


Pensar um Brasil que não priorize uma produção agrícola em latifúndios de monoculturas para exterminar o uso de agrotóxicos. É o que propõe Fran Paula, engenheira agrônoma da coordenação nacional da Campanha Permanente contra os Agrotóxicos e pela Vida em entrevista concedida por e-mail para a IHU On-Line.

Kátia Abreu, a ministra que desmata a razão

 

Por Rodrigo Martins
Da Carta Capital


De 2011 a 2014, a presidenta Dilma Rousseff incorporou 2,9 milhões de hectares à área de assentamentos e beneficiou 107,4 mil famílias sem-terra, segundo o mais recente balanço do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, divulgado na quarta-feira 7. É a menor média anual de assentamentos desde o governo Fernando Henrique Cardoso. A petista distribuiu terras a 26,8 mil famílias a cada ano, contra 76,7 mil no período Lula e 67,5 mil nos dois mandatos do tucano.

Concentração de terra cresce e latifúndios equivalem a três Sergipe



Por Tatiana Farah
Do Globo


O Brasil registrou durante o primeiro governo da presidente Dilma Rousseff um aumento de concentração de terras em grandes propriedades privadas de pelo menos 2,5%. Dados do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) revelam que, entre 2010 e 2014, seis milhões de hectares passaram para as mãos dos grandes proprietários — quase três vezes o estado de Sergipe. Segundo o Sistema Nacional de Cadastro Rural, as grandes propriedades privadas saltaram de 238 milhões para 244 milhões de hectares.

Plantações Geneticamente Modificadas: ficção corporativa



Por Vandana Shiva

Como o ano novo começa, sinto-me compelida a refletir sobre como ficções e construções abstratas estão governando-nos; a natureza de ser e de existência está sendo redefinida em tais aspectos fundamentais que a própria vida está ameaçada. Quando as corporações que foram projetadas como construções jurídicas afirmam "pessoalidade", então, pessoas reais — que ficam na fila para votar, mantém os meios de subsistência e cria famílias — perder os seus direitos.

Incêndios criminosos impedem regeneração florestal em terra indígena



Por Rafael Govari
Do Envolverde



Os Xavante da Terra Indígena (TI) Marãiwatsédé, no leste mato-grossense, tentam manter as tradições que herdaram de seus antepassados, mas enfrentam desafios para conseguir os recursos da natureza para fazer suas casas, seu artesanato e para realizar seus rituais. A caça também está escassa e até água falta. Além disso, acredita-se que a água de alguns rios esteja contaminada com agrotóxicos.

Se latifúndio não existe, por que tantas mortes no campo?


Por Cristiane Passos
Da CPT

2014 inverteu a lógica de violên­cia que vinha se mantendo nos últimos anos. Foram seis membros de comuni­dades tradicionais assassinados, con­forme dados preliminares da CPT.

A lu­ta organizada desses povos e a atenção midiática que se voltou para suas pautas em todo o mundo pode ter freado a in­vestida do capital contra suas vidas. Em compensação, tal investida voltou-se para os assentados, pequenos proprie­tários, trabalhadores sem-terra, possei­ros e sindicalistas, que perderam 28 mi­litantes nesse ano.

Kátia Abreu, o latifúndio ainda existe, e está mais improdutivo



Por Igor Felippe
Do Escivinhador

A nova ministra da Agricultura, a senadora Kátia Abreu (PMDB), disse em sua primeira entrevista depois da nomeação, concedida a Mônica Bergamo, na Folha de S. Paulo (leia aqui) que não existe mais latifúndio no Brasil. Assim, ela sustenta que não é necessária uma Reforma Agrária em massa.

Presente de natal para o agronegócio: Kátia Abreu como ministra da Agricultura


Da CPT

A Comissão Pastoral da Terra (CPT), em nota, repudiou a nomeação de Kátia Abreu, líder da CNA, como Ministra da Agricultura. 

"A nomeação de Kátia Abreu é a sinalização clara e explícita de que para a Presidenta, neste novo mandato, os povos indígenas, as comunidades quilombolas e outras comunidades tradicionais, os sem-terra em geral, continuarão a ser tratados como entraves que devem ser afastados de qualquer jeito para que o “desenvolvimento econômico” aconteça em nosso país."

Os estragos ecológicos, econômicos e sociais da mineração na América Latina


Do IHU Online

“Não pode mais haver oposição entre ambiente e desenvolvimento, nem entre atenção social e proteção ambiental. É imperativo mudar o modelo”, diz o pesquisador.
alt

“O problema ecológico não é só biológico, técnico ou político; é um assunto de cultura e, como tal, está inscrito em um paradigma de civilização. Este paradigma baseia-se na economia de materiais (extrair, transformar, comercializar, consumir, descartar)”.

Com transgênico, insegurança alimentar nos EUA aumentou em 57%


Por Christina Sarich*
Da Naturalsociety


Você não imaginaria a fome que assola os subúrbios da América, mas os cidadãos vivem em cidades como Houston, Detroit e Fresno, Califórnia mesmo ou Orlando, Florida se preocupando em alimentar suas famílias todos os meses. Certamente essas pessoas são beneficiadas por culturas geneticamente modificadas que são cultivadas em cada pedaço de terra em torno deles, certo? Realmente Não.

Agrotóxicos: o lucro que mata a terra e quem dela vive

 

Por Jacques Távora Alfonsin


Os desastres ambientais provocados pela aplicação de agrotóxicos no meio rural, por mais conhecidos frequentes, e lamentados, continuam aumentando o número das suas vítimas. Nos dias 27 e 28 de novembro passado, na localidade de Lageadinho, município de Cacique Doble (RS), várias famílias vizinhas à uma área de terras onde eles foram utilizados, sofreram os danosos efeitos dos venenos conhecidos como 2,4-D e Paraquat.

Anvisa aprova iniciativa para banir mais dois agrotóxicos no Brasil

 

Do portal Brasil

 

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, nesta terça-feira (9), duas iniciativas regulatórias para propor o banimento dos agrotóxicos Forato e Parationa Metílica. Os dois produtos fazem parte do grupo de agrotóxicos que vem passando por reavaliação da Anvisa para revisar os seus parâmetros de segurança.


No processo de registro de agrotóxicos no Brasil, cabe à Anvisa avaliar o impacto destas substâncias sobre a saúde humana, tanto do trabalhador rural como do consumidor.

OMS lista ingestão de agrotóxicos entre principais formas de suicídio

 

Do Blog do Pedlowsky

 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) acaba de publicar o seu relatório anual cujo tema é a prevenção dos suicídios que se tornaram um grave problema em escala global. Um fator que aparece como uma forma disseminada de suicídios é a ingestão de agrotóxicos.

Multas de 200 milhões da Basf e Raízen financiarão projetos contra agrotóxicos

 

Da Página do MST


O Ministério Público do Trabalho (MPT) está selecionando interessados em desenvolver estudos voltados à pesquisa, prevenção e ao tratamento de trabalhadores vítimas de intoxicação, de adoecimento decorrente de desastres ambientais, exposição a substâncias tóxicas ou acidentes de trabalho que envolvam queimaduras. 

Anvisa aprova iniciativa para banir dois agrotóxicos no Brasil


Da Anvisa


A Anvisa aprovou nesta terça-feira (09/12) duas iniciativas regulatórias para propor o banimento dos agrotóxicos Forato e Parationa Metílica. Os dois produtos fazem parte do grupo de agrotóxicos que vem passando por reavaliação da Anvisa para revisar os seus parâmetros de segurança. No processo de registro de agrotóxicos no Brasil, cabe à Anvisa avaliar o impacto destas substâncias sobre a saúde humana, tanto do trabalhador rural como do consumidor.

O erro Kátia Abreu é ela representar o que há de mais atrasado


Por Igor Felippe Santos *
Do Brasil 247


Antes de fazer qualquer avaliação, vamos apresentar um pressuposto: a agricultura é um setor importantíssimo da economia brasileira, que sustenta o superavit na balança comercial, com a exportação de produtos primários.


A soja em grão, o farelo de soja, a carne bovina, a celulose e os couros e peles estão no topo do ranking dos recordistas em vendas do país no mercado internacional, de acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Moradores podem ter sido contaminados por consumirem água com agrotóxico, no RS

 

Por Maura Silva
Da Página do MST


Na semana passada, dez pessoas foram internadas após ingerirem água de um riacho em Lajeadinho, Cacique Doble, no norte do Rio Grande do Sul. 


Investigações preliminares dão conta de que a água utilizada para consumo pelos moradores da região estaria contaminada pelo “agente laranja” 2,4 D (2,4-Diclorofenoxiacético), um agrotóxico altamente nocivo para a saúde humana. 

MP se posiciona contra programa que ensina crianças a usar agrotóxicos



Por Maura Silva
Da Página do MST


O Ministério Público do Estado do Paraná enviou ao Conselho Estadual de Educação uma notificação na qual recomenda a revisão do conteúdo e metodologia utilizados no programa “Agrinho”, promovido pela FAEP (Federação da Agricultura no Estado do Paraná).   


O programa tem como objetivo a formação de professores e dos alunos para a utilização do uso de agrotóxicos, tratando o tema como fator necessário para a expansão da economia agrária no país.

Bunge foi beneficiada por fraudes em lotes da Reforma Agrária, diz PF



Por Camila Ribeiro
Do MidiaNews


A multinacional Bunge, do ramo do agronegócio e alimentos, é citada pela Polícia Federal como uma das empresas beneficiadas pelo esquema de fraudes no Programa Ambiental Itanhangá.


As operações fraudulentas – alvo de investigação na Operação "Terra Prometida" – tiveram início há pelo menos 12 anos.

Projeto que proíbe pulverização aérea em lavouras é protocolado na ALERS

Por Leandro Molina


O deputado Edegar Pretto protocolou na Assembleia Legislativa dois projetos de lei para impedir o uso abusivo de agrotóxicos no Rio Grande do Sul. Um proíbe a pulverização aérea de lavouras – por meio de aeronaves – em todo o território gaúcho. O outro proíbe a fabricação, comercialização e uso de produtos que contenham em sua fórmula a substância 2,4-D.

Ruralistas e a Senadora Kátia Abreu querem privatizar a Embrapa

 

Da Página do MST


A Bancada Ruralista, que em 2015 elevará o número de cadeiras no Congresso Nacional de 205 para 273, já começa a trazer à tona projetos de interesse próprio. 


Um deles é o Initial Public Offering (IPO) da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). 


Na prática o IPO consiste na abertura de capital da empresa, ou seja, ações ou cotas podem ser adquiridas em leilões de mercado. 

No Pará, MP quer instalar fóruns para combater impactos dos agrotóxicos

 

Por Katia Lins
Da EcoDebate


O Ministério Público do Estado do Pará, por meio do Centro de Apoio Operacional Cível, em conjunto com a Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará) e órgãos que compõem a Comissão Estadual de Agrotóxicos, debateram a instalação do Fórum Estadual de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos no Pará.

Movimentos fazem atividade para alertar população de SP contra agrotóxicos


Por Maura Silva
Da Página do MST


Nesta quarta-feira (03/12), Dia Mundial de Luta Contra os Agrotóxicos, diversos movimentos e organizações sociais realizaram um diálogo com a população sobre os perigos dos agrotóxicos através de uma rádio itinerante na Praça do Patriarca, na região central de São Paulo.

Lucro de empresas e bancos está à frente da segurança alimentar

 

Por João Pedro Stedile
Do Portal Uol


O Brasil consome mais de um bilhão de litros de venenos agrícolas por ano. Isso representa 20% de todos os venenos consumidos no mundo, embora sejamos responsáveis por apenas 3% da produção agrícola mundial.


Despejamos 15 litros de venenos por hectare cultivado. Essa realidade não tem paralelo com nenhuma agricultura do mundo, nem há nenhum manual de agronomia que faça tal recomendação.

Kátia Abreu: me diga com quem andas que te direi quem és

Do Brasil 247


A indicação da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) para o Ministério da Agricultura esbarra em mais um problema. Além dela dividir o agronegócio, não agradar ao próprio PMDB, revoltar os movimentos sociais e estar prestes a ser julgada no Superior Tribunal de Justiça, ela cometeu mais um deslize, aos olhos do PT, neste fim de semana.

População brasileira vai às ruas exigir o fim do uso de agrotóxicos

 

Da Campanha Contra os Agrotóxicos


De Belém a Porto Alegre, dezenas de cidades brasileiras já confirmaram mobilizações na próxima quarta-feira (3/12), Dia Internacional de Luta Contra os Agrotóxicos.


Os manifestantes vão denunciar os danos causados pelo modelo agrícola representado pela Bancada Ruralista e exigir mais estímulo à agroecologia, uma alternativa à produção de alimentos saudáveis e com capacidade de garantir a segurança alimentar da população através da agricultura familiar e camponesa.