lutas-e-mobilizações

Mulheres ocupam fazenda contra uso de agrotóxicos na Paraíba

 

Página do MST

 

Cerca de 500 mulheres do MST ocuparam uma fazenda para denunciar a utilização exagerada de agrotóxicos no município de Sousa, na região de Patos, na Mesorregião do Sertão Paraibano, na manhã desta quinta-feira (8/3).

A Fazenda Santana utiliza grandes quantidades de agrotóxicos para a produção de algodão, que tem causado problemas de saúde para os trabalhadores da lavoura e para a comunidade que vive na região.

Mulheres do MST bloqueiam avenida em Fortaleza contra mudanças no Código

 

Mais de 600 mulheres do MST bloquearam a Avenida Washington Soares, no Bairro Edson Queiroz, em Fortaleza, na manhã desta quinta-feira (8).

O protesto exige que a presidenta Dilma Rousseff faça um veto integral às mudanças no Código Florestal, propostas pela bancada ruralista no Congresso Nacional.

Camponesas ocupam Ibama em Maceió por veto às mudanças no Código Florestal


Por Rafael Soriano
Da Página do MST



Cerca de 1.200 trabalhadoras rurais ocuparam a sede do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em Maceió (AL), na manhã desta quinta-feira (8/3).

A ocupação do Ibama denuncia os riscos da aprovação das alterações no Código Florestal, orientadas pelo setor ruralista, ao passo que cobram da Presidenta Dilma seu compromisso em vetar integralmente o projeto.

Mulheres Sem Terra ocupam fazenda em Planaltina e denunciam agrotóxicos


Da Página do MST



Cerca de 600 trabalhadoras rurais Sem Terra ocuparam, na manhã desta quinta-feira (8/3), a fazenda Toca da Raposa, em Planaltina (DF), para reivindicar a destinação da área para assentamento e a aceleração do processo de Reforma Agrária.

A ação integra a Jornada Nacional de Lutas das Mulheres Camponesas 2012.

As camponesas denunciam que parte das terras da fazenda pertence à União e foi grilada pelo produtor de soja Mário Zanatta.

Mulheres fazem ato público em Marabá por Reforma Agrária




Da Página do MST



As 700 mulheres camponesas que ocupam o Incra em Marabá (PA) realizaram pela manhã desta quinta-feira (8) um Café da Manhã da Reforma Agrária, com produtos vindos de assentamentos e acampamentos da região.

Com frutas, bolos de macaxeira e milho, diversos doces e tapioquinha, as mulheres socializam o fruto de seu trabalho no campo, reafirmando seu compromisso de continuar plantando alimentos saudáveis para o povo da região, do estado e do Brasil.

Mulheres do MST ocupam o Engenho Pereira Grande em Pernambuco

 

Por Ramiro Olivier
Da Página do MST

 
Cerca de 300 mulheres do MST ocuparam o Engenho Pereira Grande, que pertence a Usina Estreliana, localizada no município de Gameleira, na mata sul do estado de Pernambuco, na manhã desta quinta-feira (8/3), no Dia Internacional de Luta das Mulheres.

A ação, que acontece no dia internacional da mulher trabalhadora, faz parte da jornada Nacional de luta das Mulheres Camponesas contra o agronegócio e a por Soberania Ambiental.

“As mulheres em movimento ajudam suas organizações a trilhar para a ofensiva”


 
Por Vanessa Ramos
Da Página do MST
 

Há tempos que as mulheres brasileiras não seguem o exemplo das “Mulheres de atenas”, de Chico Buarque. “... Quando fustigadas não choram, se ajoelham, pedem imploram mais duras penas; cadenas...”.Em vez disso, hoje as mulheres lutam, juntam forças, fazem exigências e protestos.

Mulheres fazem encontro e rejeitam mudanças no Código Florestal no Maranhão



Por Reynaldo Costa
Da Página do MST



No estado do Maranhão, grandes projetos têm causado enormes impactos ambientais, sociais e econômicos, como é o caso da Hidrelétrica de Estreito, da Instalação da unidade da Suzano e a duplicação da Estrada de Ferro Carajás, da mineradora Vale. Dentre as estratégias desses grandes projetos, encontra-se as mudanças em jogo sobre o Código Florestal.

Mulheres marcham contra a aprovação do novo Código Florestal em Tocantins




Da Página do MST


Cerca de 300 mulheres da Via Campesina, movimento estudantil, movimento dos direitos humanos e da Marcha Mundial de Mulheres (MMM), marcharam mais de 8km na cidade de Palmas (TO) e montaram um acampamento em frente à Assembleia Legislativa, onde realizaram uma vigília na noite desta terça-feira (6).

MST vai às ruas de Pernambuco em defesa do Código Florestal e por veto de Dilma

Da Página do MST



Nos dias 5 e 6 de março, o MST saiu às ruas de mais de 20 municípios pernambucanos em uma campanha de conscientização da população sobre as consequências das mudanças no Código Florestal, propostas pela bancada ruralista, que serão votadas na Câmara dos Deputados na próxima semana.

Envie carta para Dilma contra mudanças no Código Florestal

 

Da Página do MST


As mulheres da Via Campesina, mobilizadas em todo o Brasil na jornada de lutas em torno do 8 de março, o Dia Internacional de Lutas das Mulheres, estão enviando cartas à presidenta Dilma Rousseff para pedir o veto das mudanças no Código Florestal.

A votação do Código Florestal, que estava prevista para esta quarta-feira (7/3), na Câmara dos Deputados, foi adiada para a próxima terça-feira (13), mas as organizações ambientalistas e movimentos camponeses não acreditam que os problemas no texto poderão ser superados pelos deputados.

Mais de mil trabalhadores fazem duas ocupações no planalto catarinense


Por Abdon Batista, Rui Fernando Neto e Pepe Pereira dos Santos
Da Página do MST

 

O frio não assustou os lutadores do povo e na manhã desta segunda-feira (6/6), quando o MST e o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) ocuparam o canteiro de obras da Usina Hidrelétrica Garibaldi, no município de Abdon Batista, e um latifúndio improdutivo em Cerro Negro, cidade vizinha.

No protesto, 700 pessoas trancam as obras da barragem e mais 300 pessoas fazem a luta pela terra no município vizinho.

Sem Terra fazem homenagem: ‘Jaelson Melquíades. Presente’

Por Rafael Soriano Da Página do MST Cerca de 1500 famílias Sem Terra realizam na manhã desta terça-feira (30/11) uma caminhada pelas ruas do Centro de Maceió a partir das 8h para pressionar o Poder Público pela punição dos algozes de Jaelson Melquíades e tantos outros que tombaram na luta pela terra. Os agricultores fizeram uma manifestação de paz pelas ruas de Atalaia no dia de ontem, quando se completou cinco anos do mais recente assassinato de liderança do campo no Estado.

Animação e partilha marcam ato pela Reforma Agrária no interior de SP

[img_assist|nid=10960|title=|desc=|link=none|align=left|width=640|height=415]
Por Camila Bonassa
Da Página do MST
Contrariando as previsões que indicavam chuva, o sol brilhou e esquentou o 1º Ato pela Reforma Agrária em Riversul (380 km da capital), na tarde da última terça (23). Mais de 100 pessoas participaram da atividade na Praça da Matriz. Desde março de 2008, existe um acampamento no município, o Acampamento 8 de Março, mas essa é a primeira vez que se discute com a Reforma Agrária com a população de Riversul – que soma pouco mais de sete mil habitantes.

MST realiza ato pela Reforma Agrária no interior de SP

Por Camila Bonassa Da Página do MST O MST e as famílias do Acampamento 8 de Março realizam nesta terça-feira (23) um ato pela Reforma Agrária, em Riversul, na região de Itapeva, no interior de São Paulo. A atividade acontecerá às 15 horas, na Praça da Matriz. O 1º Ato Político de Apoio à Reforma Agrária no município de Riversul pretende levar para a sociedade o debate sobre a questão agrária e a necessidade da realização do assentamento na fazenda Can-Can, como alternativa para a geração de trabalho, renda e produção de alimentos na região.

Quilombolas e Sem Terra ocupam latifúndio em Minas Gerais

Da Comissão Pastoral da Terra Na luta pela conquista do Território Brejo dos Crioulos, nos Municípios de São João da Ponte, Varzelândia e Verdelândia (norte de Minas Gerais), trezentas famílias quilombolas e da Via Campesina ocuparam, nesta quinta-feira, as Fazendas Aparecida, Arapuã e Lagoa da Varanda (de propriedade de Raul Ardito Lerário). O território quilombola, composto por 512 famílias espalhadas em oito pequenas comunidades, abrange 17.309 hectares. As cinco maiores fazendas detêm 13.000 hectares do território.

Sem Terrinhas lutam por escolas do campo

Por Vanessa Ramos e Meire Cardoso Da Página do MST O 12 de outubro deixa a criançada ansiosa, louca por presentes. Não importa em que dia da semana será comemorado o tradicional Dia das Crianças, a data é sempre motivo de muita festa e de diversão. Certo? Mas não é só isso. Para as crianças Sem Terrinha, filhos de acampados e assentados do MST, o Dia das Crianças é muito mais que ganhar presentes.

Famílias Sem Terra ocupam área pública em Quixadá

Por Marcelo Matos Da Página do MST Cerca 50 famílias do MST ocuparam a fazenda Lavoura Seca, a quatro quilômetros do centro de Quixadá, no sertão central do Ceará, na manhã desta segunda-feira. A área pertence ao Ministério do Desenvolvimento Agrário, mas é utilizada pela prefeitura municipal de Quixadá e pela Universidade Federal do Ceará, que desenvolvem na área um projeto experimental. As famílias reivindicam a área para fins de Reforma Agrária, para que possam trabalhar e construir suas moradias.

MST ocupa fazenda grilada para cobrar governo no Pará

Da Página do MST Cerca de 150 famílias do MST ocuparam na manhã de quarta-feira (15/9) a Fazenda Cambará, no município de Santa Luzia (PA), para exigir o imediato assentamento das famílias do acampamento Quitino Lira.

MST ocupa 10º latifúndio improdutivo em Minas Gerais

Da Agência Brigadista de Notícias Cerca de 100 famílias do MST ocuparam uma fazenda improdutiva no município de Funilândia, divisa com Sete Lagoas, a 100 quilômetros de Belo Horizonte, na manhã desta segunda-feira (13/9). Com essa ocupação, o MST chega a 10 áreas ocupadas em Minas Gerais neste ano. A fazenda de nome Granja Manoa é de propriedade de Oto Guimarães Mourão. A área está abandonada há vários anos.

Protesto cobra punição aos assassinos de Sem Terra no Pará

Da Página do MST Famílias do acampamento Quintino Lira, de Santa Luzia do Pará, fizeram um protesto durante a abertura do 2º Encontro Nacional do Fórum de Assuntos Fundiários, em Belém (PA), na noite desta quinta-feira (9/9). Depois do ato, as famílias ocuparam a sede do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra). A manifestação exige a punição dos assassinos do trabalhador rural José Valmeristo Soares, o Caribé, e de seus mandantes Josué Bengstson (PTB), ex- deputado federal, e seu filho Marcos Bengstson, além da desapropriação da Fazenda Cambará,

MPA ocupa agências da Caixa em luta por moradia

Camponeses e camponesas organizadas no Movimento dos Pequenos Agricultores ocuparam na manhã desta segunda-feira (22/2), cerca de 40 agências da Caixa Econômica Federal, distribuídas em 12 estados brasileiros. A ação envolve mais de 8 mil agricultores, que cobram o financiamento de moradias pelo Programa do Governo Federal “Minha Casa, Minha Vida” na área rural, e reivindicam mudanças nas exigências de implementação do programa.

Conflito em São Joaquim do Monte: a história se repete

Há um ano, em 19 de fevereiro de 2009, na semana anterior ao carnaval, a polícia militar de Pernambuco realizava a operação de despejo das famílias acampadas na fazenda Jabuticaba, no município de São Joaquim do Monte, Agreste de Pernambuco. Dois dias depois, no dia 21, um grupo de pistoleiro armou uma tentativa de massacre contra os acampados do MST nas fazendas Jabuticaba e Consulta, ambas localizadas no mesmo município. Durante a resistência dos trabalhadores ao ataque, quatro pistoleiros morreram.

Os novos desafios do MST

Jorge Pereira Filho e Mayrá Lima, Brasil de Fato Em 1985, eram pouco mais de mil militantes. Reunidos em Curitiba, no Paraná, aqueles Sem Terra se colocaram o desafio de construir um movimento social pela reforma agrária, no final do 1º Congresso Nacional do MST. Vinte e três anos se passaram, a realidade agrária permanece reproduzindo a injustiça. O Brasil é o segundo país do planeta com maior concentração fundiária. Cerca de 1,6% dos imóveis responde por 43,7% do território de todas as propriedades rurais do Brasil.

Mulher Sem Terra na luta por Reforma Agrária

A discussão em torno da participação das mulheres Sem Terra na luta por Reforma Agrária e pelo fim da discriminação vem desde o começo do MST. “A própria forma de organização do Movimento leva essas mulheres a buscarem a superação das desigualdades, tanto econômica como de participação no MST”, afirma Lourdes Vicente, integrante do Setor de Gênero do Movimento. Leia abaixo a entrevista sobre as mulheres no MST, a educação das crianças Sem Terrinha e as ações do Dia Internacional da Mulher. A mulher Sem Terra é mais oprimida que o homem Sem Terra?

Cooperativismo no País Basco é exemplo para Sem Terra

Em 1956, cinco alunos da Escola Politécnica de Mondragón, no País Basco, abriram uma fábrica de aquecedores. Em 1959, foi a vez de uma cooperativa de casas populares. Mais de 50 anos depois, cerca de 80 mil pessoas estão trabalhando na Mondragón Corporação Cooperativa (MCC), que tem no cooperativismo e na mudança social suas bases de atuação.

Sem Terra identificam suas lutas em experiências teatrais do MST

O teatro sempre esteve presente no MST. Hoje os Sem Terra estão organizados em cerca de 30 grupos de acampamento e assentamentos da Reforma Agrária. Em entrevista, Rafael Litvin Villas Bôas, integrante do Coletivo de Cultura do MST, explica a trajetória da formação teatral no Movimento e as concepções teóricas envolvidas na criação de uma cena. “Em geral fazemos um debate após a apresentação e há intensa participação daqueles que assistem aos trabalhos.

Saúde significa realizar a Reforma Agrária

Saúde não é só curar doenças. O meio-ambiente, as condições de vida sociais e políticas e a alimentação são algumas das características que podem garantir uma vida mais ou menos saudável. A análise é de Dirlete Dellazeri, integrante do setor de saúde do MST. Na entrevista abaixo, Dirlete, que vive no assentamento Dorcelina Folador, em Arapongas (PR), fala sobre a construção da saúde entre os Sem Terra e a luta em defesa de um sistema público que atenda a população do campo e da cidade. “Todo mundo tem problemas de saúde.

Cooperativismo é a saída para o pequeno produtor

Criada em 1996 por 120 assentados da Reforma Agrária, a Cooperoeste (Cooperativa Regional de Comercialização do Extremo Oeste Ltda) é hoje uma das grandes produtoras de leite da região sul do país. Sediada em São Miguel do Oeste (SC), ela produz e comercializa cerca de 330 mil litros de leite diariamente.

Bionatur leva sementes agroecológicas para todo o país

Por Luiz Renato Almeida Fonte Agência Chasque Começa nesta terça-feira, em Candiota, na região sul do Rio Grande do Sul, o terceiro encontro nacional da Rede Bionatur de Sementes Agroecológicas. A Bionatur é uma empresa ligada a cooperativas de assentamentos do MST. Atualmente, cerca de 230 famílias assentadas em 20 municípios dos estados do Sul do Brasil e de Minas Gerais participam do projeto. Na última safra, foram produzidas 22 toneladas de sementes livres de agrotóxicos, certificadas pelo Ministério da Agricultura.