Organizações pedem fim da ocupação militar brasileira no Haiti


Da Página do MST

Neste ano, a missão de paz das Nações Unidas no Haiti, conhecida como Minustah e chefiada militarmente pelo Brasil, completa 10 anos. 

No próximo dia 14 de outubro, um dia antes de vencer o mandato anual de ocupação, o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) se reunirá para decidir sobre a permanência das tropas no país. 

Brigada da Via Campesina no Haiti recebe prêmio internacional nos EUA

Da Página do MST*

A Aliança Estadunidense pela Soberania Alimentar entregará o Prêmio de Soberania Alimentar deste ano a cinco organizações de base de vários países do mundo. São grupos inovadores que trabalham pelo acesso democrático à terra, às sementes, à água e aos alimentos.

O Prêmio de Honra mais alto será concedido ao Grupo de 4 (G4) e à Brigada Dessalines, uma colaboração internacional de camponeses que atuam para reconstruir os sistemas de sementes camponesas e crioulas, os solos e a agricultura camponesa e agroecológica no Haiti.

Brigada da Via Campesina no Haiti completa três anos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Por Thalles Gomes
Da Página dp MST

A Brigada Internacionalista da Via Campesina Brasil está presente no Haiti desde janeiro de 2009. Mais de 30 militantes de distintos estados e movimentos sociais já fizeram parte da equipe, que é formada atualmente por 10 pessoas.

Brigada da Via Campesina no Haiti lança blog

‘Pi ti, Pi ti, zwazo fé nich’

(Pouco a pouco, o pássaro faz seu ninho)

As conquistas da classe trabalhadora são árduas e escassas. Os opressores buscam de todas as formas sufocá-las. E, quando não o conseguem, a única saída é mantê-las no anonimato, para que seu exemplo não seja difundido e seguido.

O objetivo do blog ‘Haiti Kreyòl’ é, dentro de suas limitações, tal como o pássaro que pouco a pouco faz seu ninho, combater o anonimato imposto às lutas e conquistas dos trabalhadores e trabalhadoras haitianos.

Haiti: movimentos camponeses se pronunciam sobre a conjuntura do país

O Kat Je Kontre, articulação dos movimentos camponeses que compõe a Via Campesina Haiti, se pronuncia pela primeira vez após o terremoto de 12 de janeiro de 2010.

Na ocasião de sua V Assembléia Geral, o KAT JE KONTRE analisa que ‘a situação do país, que já era precária antes de 12 de janeiro, se tornou insustentável depois do terremoto que abalou nossa nação,
evidenciando a debilidade do Estado que não é capaz de reagir perante a condição em que o país se encontra’.

Imperialismo e violência no Haiti

Por Cássia Bechara

Desde 2004 o Haiti está mais uma vez ocupado por forças internacionais. Primeiro foram as tropas da França, Estados Unidos e Canadá. Depois, com a “queda” do presidente eleito, Jean-Bertrand Aristide, as tropas da ONU – comandadas pelo exército brasileiro – assumiram o papel dos soldados estadunidenses e franceses, mantendo a ocupação militar de um país soberano e independente.