Indonésia: começa a 6° Conferência Internacional da Via Campesina


Da Via Campesina

Após três intensas jornadas protagonizadas pelas assembleias de mulheres e jovens, na tarde de hoje foi realizada a cerimônia de abertura para dar as boas-vindas à VI Conferência Internacional da Via Campesina.  Irma Brunetto, irmã de Egidio, declarou aberta a VI Conferência, que traz o nome de seu irmão em homenagem ao legado de luta que ele deixou como exemplo a todos os lutadores e lutadoras do mundo.

“Governos continuam indiferentes ao aquecimento do planeta”

Da Página do MST

Veja a declaração da Via Campesina sobre os resultados da Conferência do Clima em Cancún.

“Os governos continuam indiferentes frente ao aquecimento do planeta e em vez de debater sobre as mudanças de políticas necessárias para o resfriamento, debatem sobre o negócio financeiro especulativo, a nova nova economia verde e a privatização dos bens comuns”, afirma a declaração.

Via Campesina defende “desmontar” mercados de carbono


Da Via Campesina Internacional

Uma idéia sobressaiu durante a abertura e o desenvolvimento dos trabalhos durante o primeiro dia do Fórum Global “Pela Vida e a Justiça Ambiental e Social”,da Via Campesina: é necessário desmontar os mercados de carbono e o programa REDD que os governos pretendem legitimar na COP16 (Cúpula do Clima da Organização das Nações Unidas).

A Via Campesina e organizações aliadas montaram um acampamento em Cancún, paralelamento à reunião da COP-16.

Movimentos do Pará condenam mudanças no Código Florestal


Da Página do MST

Leia nota dos movimentos do campo do Pará, organizados na Via Campesina, sobre as alterações do Código Florestal Brasileiro, que podem ser votadas no plenário da Câmara dos Deputado ainda neste ano.

Carta da Via Campesina – Pará contra as alterações do Código Florestal Brasileiro

Nós, representantes dos Movimentos Sociais que compõe a Via Campesina Pará, denunciamos a proposta de alteração do Código Florestal brasileiro a toda a sociedade paraense e aos povos da Amazônia.

Quilombolas e Sem Terra ocupam latifúndio em Minas Gerais


Da Comissão Pastoral da Terra

Na luta pela conquista do Território Brejo dos Crioulos, nos Municípios de São João da Ponte, Varzelândia e Verdelândia (norte de Minas Gerais), trezentas famílias quilombolas e da Via Campesina ocuparam, nesta quinta-feira, as Fazendas Aparecida, Arapuã e Lagoa da Varanda (de propriedade de Raul Ardito Lerário). O território quilombola, composto por 512 famílias espalhadas em oito pequenas comunidades, abrange 17.309 hectares. As cinco maiores fazendas detêm 13.000 hectares do território.

Congresso da CLOC começa com marcha em Quito


Da Comunicação Congresso da CLOC

Com um sol radiante e no meio de uma grande festa de cores, mais de mil delegadas e delegados da Coordenadoria Latinoamericana de Organizações do Campo (CLOC) e da Via Campesina tomaram as principais ruas e avenidas da cidade de Quito, gritando a consígnia “Contra o Capital e o Império, Pela Terra e a Soberania de Nossos Povos, América Luta!”.

Assembleia de Jovens da CLOC começa no Equador


Da Comunicação Congresso da CLOC

Com uma mística que reuniu representantes de todas as regiões da América, teve início a III Assembleia de Jovens da CLOC, na Universidade Central de Quito, Equador. Após esse primeiro momento, foram chamados os coodenadores do dia para as atividades desse evento.

Luis Andrango, presidente da Federação Nacional de Organizações Camponesas, Indígenas e Afrodescendentes do Equador, FENOCIN, saudou a todos e todas, em nome das organizações equatorianas.

Assembleia de jovens da CLOC busca articulação continental


Da Comunicação Congresso da CLOC

De diversos países já começam a chegar delegados e delegadas jovens para a III Assembleia de Jovens que se realizará em 8 e 9 de outubro em Quito, no Equador, no marco do V Congresso da Coordenadoria Latino-americana de Organizações do Campo – CLOC.

O trabalho de organização para a III Assembleia Latinoamericana da Juventude da CLOC-VC vem sendo realizado há mais de um ano em diferentes instância,s tanto nacionais, regionais, quanto continentais.

Juventude da CLOC repudia tentativa de golpe no Equador


Da Comunicação Congresso da CLOC

Jovens integrantes de diversas organizações da Coordenadoria Latinoamericana de Organizações do Campo (CLOC), manifestaram suas reflexões e demandas no programa de televisão “Defendendo a Pachamama”, produzido pela Federação Nacional de Organizações Camponesas, Indígenas e Negras, (FENOCIN), do Equador.

No programa, foram entrevistados Omar Delgado, dirigente da Coordenadoria Nacional Camponesa (CNC), Delia Guaman, dirigente da FENOCIN, ambos do Equador e a dirigente da Associação de Trabalhadores do Campo (ATC), Zayra Ticay, da Nicarágua.

Comissão Política da CLOC se concentra em Quito


Da Comunicação Congresso da CLOC

A Comissão Política da Coordenadoria Latinoamericana de Organizações do Campo, CLOC, se reuniu hoje de manhã, 5 de outubro, nas instalações da Coordenadoria Nacional Camponesa, CNC-Eloy Alfaro, na cidade de Quito para analisar os avanços do V Congresso que se realizará de 8 a 16 de outubro, nas instalações da Universidade Central do Equador.

Realização do congresso da CLOC no Equador está garantida


Da comunicação do Congresso da CLOC

A rebelião policial que se estendeu, no último 30 de setembro, por várias cidades do Equador, fazendo surgir rumores de uma tentativa de golpe de estado, foi suprimida pelo governo Correa. Quito e todo o país do Equador começam a retornar à normalidade.

O exército permanece nas ruas, a polícia está afastada temporariamente e o país continua em estado de exceção. Mesmo assim, as atividades diárias do povo equatoriano se mantém com aparente normalidade.

Via Campesina exige da FAO apoio às verdadeiras soluções para crise alimentar


Da Comunicação da Via Campesina

De 11 a 16 de outubro, em Roma, Itália, acontecerá a sessão plenária do Comitê de Segurança Alimentar Mundial da FAO. Representantes do movimento camponês internacional, a Via Campesina, estarão presentes junto com outros atores da sociedade civil para exigir verdadeiras soluções à permanente crise alimentar mundial, assim como medidas concretas para abordar os problemas da especulação em cima de produtos básicos alimentícios e a acumulação e concentração de terras.

Congresso de camponeses começa na sexta-feira em Quito


Da Página do MST

O 5º Congresso da Coordenação Latino Americana de Organizações do Campo (CLOC) e da Via Campesina na América Latina, com a presença de 84 organizações campesinas de 18 países, com um total de 1200 delegados, acontece entre 8 e 16 de outubro, na cidade de Quito, no Equador.

Para Luis Alberto Andrango, secretário-operativo da CLOC-Via Campesina, durante a realização do congresso haverá linhas de debate fundamentais sobre o contexto social e político da América Latina, que proporcionou transformações positivas no continente nos últimos anos.

Brigada da Via Campesina no Haiti lança blog

‘Pi ti, Pi ti, zwazo fé nich’

(Pouco a pouco, o pássaro faz seu ninho)

As conquistas da classe trabalhadora são árduas e escassas. Os opressores buscam de todas as formas sufocá-las. E, quando não o conseguem, a única saída é mantê-las no anonimato, para que seu exemplo não seja difundido e seguido.

O objetivo do blog ‘Haiti Kreyòl’ é, dentro de suas limitações, tal como o pássaro que pouco a pouco faz seu ninho, combater o anonimato imposto às lutas e conquistas dos trabalhadores e trabalhadoras haitianos.

Haiti: movimentos camponeses se pronunciam sobre a conjuntura do país

O Kat Je Kontre, articulação dos movimentos camponeses que compõe a Via Campesina Haiti, se pronuncia pela primeira vez após o terremoto de 12 de janeiro de 2010.

Na ocasião de sua V Assembléia Geral, o KAT JE KONTRE analisa que ‘a situação do país, que já era precária antes de 12 de janeiro, se tornou insustentável depois do terremoto que abalou nossa nação,
evidenciando a debilidade do Estado que não é capaz de reagir perante a condição em que o país se encontra’.

Via Campesina e Contag denunciam documento da CNA

Do Vermelho

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), presidida pela senadora Kátia Abreu (DEM-TO), famosa por seus ataques ao MST, aprovou uma carta ser entregue aos candidatos à presidência da república, fruto do seminário “O que esperamos do próximo presidente”, realizado pela entidade em 24 e 25 de março, em São Paulo. Representantes da Via Campesina e da Contag avaliam que o documento reivindica ainda mais concentração de terras no país e promove criminalização dos movimentos sociais.

Mulheres camponesas se mobilizam também em Sergipe

Na última quarta-feira (10/3), cerca de 1000 mulheres do MST acamparam na Praça Dr. Ranulfo Prata, na capital sergipana, em função do Dia Internacional da Mulher. As camponesas se mobilizaram contra a criminalização dos movimentos sociais, a violência contra as mulheres e o agronegócio. Além disso, defendem a soberania alimentar e energética e os investimentos públicos na agricultura camponesa.

Via Campesina cobra do Incra área no norte do RS

Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Movimento dos Atingidos por Barragens ( MAB) e o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), realizam hoje uma reunião com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). A reunião, que acontece nesta segunda-feira, às 14h, terá como objetivo a averiguação da situação da Fazenda Inveja, área em disputa judicial há mais de 30 anos. Os movimentos organizados na Via Campesina reivindicam a desapropriação da área para a Reforma Agrária.

Sem Terra recebe comenda em Alagoas

A militante do MST Débora Nunes recebeu do governo do Estado de Alagoas no último dia 8 de março, Dia Internacional de Lutas das Mulheres, a comenda Nise da Silveira. O título foi criado por decreto estadual para homenagear mulheres que desempenham papel relevante para a sociedade alagoana. Débora Nunes, membro da Direção Nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), recebeu a comenda das mãos da desembargadora Elisabeth Carvalho (presidente do Tribunal de Justiça), a terceira na linha de sucessão do Governo do Estado, na ausência de Teotônio Vilela.

Mulheres do campo e da cidade marcham em São Paulo

Entre os dias 8 e 18 de março, a Marcha Mundial das Mulheres organiza sua 3ª Ação Internacional no Brasil. Neste período, 3 mil mulheres de todas as regiões do país farão uma caminhada entre dez cidades, de Campinas a São Paulo, para dar visibilidade à luta das mulheres brasileiras e reivindicar mudanças em suas vidas.

A Ação começou no Dia Internacional das Mulheres (8/3), em um grande ato público no Largo do Rosário, no centro de Campinas, e termina em São Paulo, no dia 18, em um ato na Praça Charles Miller.

Marcha das Mulheres chega a Louveiras nesta quinta

A 3ª Ação Internacional da Marcha Mundial das Mulheres segue a todo vapor. Nesta quinta (11/3) pela manhã, as marchantes deixaram a cidade de Vinhedo rumo à Louveira, onde ficam alojadas no Parque da Uva.

No período da tarde, a marcha recebe uma convidada especial, a feminista brasileira radicada na França Helena Hirata. Ela é especialista nos temas do trabalho e autonomia econômica das mulheres. Hirata vai falar sobre eles para as militantes que participam da Ação.

Jundiaí

Mulher Sem Terra é homenageada no Maranhão

Na última segunda-feira (8/3), uma cerimônia realizada na Câmara Municipal de Vereadores de Imperatriz (MA) reconheceu a militância em defesa dos direitos das mulheres na região.

Doze mulheres foram homenageadas; entre elas Gilvânia Ferreira, da Direção Estadual do Movimento Sem Terra no Maranhão. Ao ser homenageada, Gilvânia, que não estava presente, foi lembrada pela sua incansável luta junto aos trabalhadores e trabalhadoras rurais Sem Terra de todo Estado do Maranhão, e principalmente pelo trabalho realizado junto as mulheres da Cidade Imperatriz.

No ES, mulheres da Via Campesina se mobilizam contra monocultivo de eucalipto

Nesta quarta (10/3), cerca de 400 mulheres da Via campesina e do Movimento de Mulheres Camponesas (MMC) saíram em marcha do trevo Maria Amélia, em São Mateus (ES), em direção ao centro da cidade, onde realizaram um ato em frente ao Banco do Brasil.

As mulheres lutam contra a criminalização dos movimentos sociais, a violência contra as mulheres, o agronegócio e os monocultivos de eucalipto e cana no Espírito Santo. Além disso, defendem a soberania alimentar e energética e os investimentos públicos na agricultura camponesa.

Camponesas de Pernambuco seguirão pressionando governo do estado

Da CPT

Cerca de 400 mulheres ocuparam na manhã desta segunda-feira (8/3), a Secretaria de Agricultura e Reforma Agraria do estado de Pernambuco. A ação fez parte da “Jornada Nacional de Luta das Mulheres da Via Campesina contra o Agronegócio e contra a Violência: por Reforma Agrária e Soberania Alimentar”, em comemoração ao Dia Internacional de Luta das Mulheres.

No Ceará, mulheres entregam manifesto a autoridades

Dando continuidade à Jornada de luta das mulheres camponesas no Ceará, as 400 mulheres que denunciaram a empresa Nufarm por irregularidades e contaminação do ar e da saúde da população em bairros de Fortaleza nesta segunda-feira (8/3), realizaram marcha e panfletagem no bairro Novo Maracanaú e na Ceasa. À tarde, as mulheres se juntaram às trabalhadoras urbanas da Central de Movimentos Populares (CMP) no Palácio Iracema (Palácio do governo), onde entregaram o manifesto das mulheres da Via Campesina ao Secretário da Casa Civil.

Marcha das mulheres chega a Valinhos

Nesta terça-feira (9/3), as três mil mulheres que participam da 3ª Ação Internacional da Marcha Mundial das Mulheres chegam à cidade de Valinhos. Elas saíram por volta das 6 horas da manhã do ginásio Rogê Ferreira, em Campinas, onde ficaram alojadas após o ato de lançamento, que aconteceu no Largo do Rosário.

O ato contou com a presença das delegações de 25 estados que vieram para a Marcha. Houve apresentações musicais, batucadas e falas sobre os 100 anos do Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março.

Atos em Campo Grande marcam Jornada no MS

Cerca de 300 mulheres da Via Campesina percorreram um total de 20 quilômetros pelas ruas centrais de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, na manhã segunda-feira (8/3).

Com faixas, cartazes e megafones gritando palavras de ordem, elas exigiram melhorias no setor educacional, da saúde e contra a exploração do agronegócio. A ação começou em frente à Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul e acabou na calçada externa do prédio do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), no centro da cidade.

Mulheres do campo doam sangue em MT

Vanderléia da Silva Santos, 34 anos, casada, dois filhos, mora no pré-assentamento Keno, em Cláudia (a 620 quilômetros de Cuiabá). Ela foi a primeira a doar sangue no ato público realizado pelas mulheres do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Via Campesina e Movimento de Mulheres do Campo (MMC), na manhã desta segunda-feira (8/3), na praça da República, centro de Cuiabá.

Três mil mulheres marcharão de Campinas a São Paulo

Cerca de 250 mulheres da Via Campesina se somam às mulheres de várias organizações a partir desta segunda-feira (8/3). Entre os dias 8 e 18 de março, a Marcha Mundial das Mulheres organizará sua 3ª Ação Internacional no Brasil. Neste período, 3 mil mulheres de todas as regiões do país farão uma caminhada entre dez cidades, de Campinas a São Paulo, para dar visibilidade à luta das mulheres brasileiras e reivindicar mudanças em suas vidas.

Mulheres ocupam Secretaria de Agricultura em Recife

Cerca de 400 mulheres da Via Campesina ocupam, desde a manhã desta segunda-feira (8/3), a sede da Secretaria de Agricultura do Estado de Pernambuco, no bairro do Cordeiro, Recife. A ação faz parte da Jornada Nacional de Luta das Mulheres da Via Campesina contra o Agronegócio e contra a Violência: por Reforma Agrária e Soberania Alimentar, em comemoração ao Dia Internacional de Luta das Mulheres.

Em todo o país, camponesas se mobilizam

Somando-se à luta feminista durante este 8 de março, as mulheres da Via Campesina se mobilizam por todo o país para denunciar os malefícios do agronegócio contra a vida e o trabalho das camponesas. Atos, protestos e atividades de formação e estudos acontecem desde a semana passada em todas as regiões do país.

Em Palmas (TO), mulheres marcham e debatem impactos do agronegócio

Mais de 800 mulheres da Via Campesina da região Amazônica e outros movimentos populares de Tocantins fazem uma caminhada em comemoração aos 100 anos de instituição do dia 8 de março nesta segunda-feira (8/3). Pela manhã, as mulheres marcham na avenida JK em defesa da vida, pelos direitos humanos e pela soberania alimentar.

Ontem (7/3), no auditório da Escola de Tempo Integral Padre Josimo, em Palmas (TO), as mulheres debateram os impactos do agronegócio sobre as camponesas.

Mulheres do campo e da cidade acampam na Assembléia Legislativa de MG

Mulheres da Via Campesina e dos movimentos urbanos de Minas Gerais, Marcha Mundial de Mulheres, Assembléia Popular e Brigadas Populares estão acampadas na praça da Assembléia Legislativa,seu espaço por direito. Durante os dias 6, 7 e 8 , 500 mulheres se mobilizam para denunciar a situação de opressão em que vivemos por causa do agronegócio, da violência, do machismo, da criminalização e acima de tudo do sistema capitalista.

Mulheres bloqueiam obras de barragem em Rondônia

Durante a manhã desta segunda-feira (8/3), cerca de 200 mulheres do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e da Via Campesina trancaram por uma hora a estrada de acesso ao canteiro de obras da Usina Hidrelétrica de Santo Antônio. Elas estão mobilizadas pelo dia Internacional da Mulher e, em Porto Velho, protestam contra a construção das barragens no rio Madeira e todas as consequências negativas que as obras estão trazendo para a vida das mulheres.