“Agradecemos a imensa solidariedade com o Acampamento Dom Tomás”

 

Da Página do MST

Foram inúmeras as manifestações de apoio que as famílias Sem Terra do Acampamento Dom Tomás Balduino – que ocupam a Agropecuária Santa Mônica, do senador Eunício de Oliveira (PMDB-CE), entre os municípios de Alexânia, Corumbá e Abadiânia (GO) – receberam diante da liminar que autorizava a reintegração de posse da área, suspensa na última sexta-feira (21).

Despejo na fazenda do senador Eunício de Oliveira é suspenso pela Justiça

 
 
Da Página do MST
 
O Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) suspendeu a liminar que autorizava a reintegração de posse da Agropecuária Santa Mônica, localizada entre os municípios de Alexânia, Corumbá e Abadiânia (GO).
 
Com esta decisão, as 2,5 mil famílias do acampamento Dom Tomás Balduíno ganharam o direito de permanecer na área, cuja propriedade está em nome do Senador Eunício Oliveira (PMDB-CE).
 

A impressionante riqueza do senador Eunício Oliveira

 

Por Fabio Serapião
Da Carta Capital

Após seis meses de apuração sobre quem seriam os donos, qual a capacidade agrícola e a atual utilização do solo de uma ampla faixa de terra localizada entre os municípios de Alexânia e Corumbá de Goiás, o Movimento Sem Terra decidiu, no sábado 30, iniciar o processo de ocupação da área para reforma agrária.

MST denúncia violação de Direitos Humanos no Acampamento Dom Tomás Balduíno


Da Página do MST


A ocupação da Agropecuária Santa Mônica, hoje denominada Acampamento Dom Tomás Balduíno, está em seu terceiro dia e tem sofrido a conivência do aparato de segurança governamental com o latifúndio.

Em nota, o MST ressalta que apesar dos esforços em estabelecer uma negociação pacífica pela destinação da área para a reforma agrária, a preponderância do uso de poder político e econômico em favor do interesses do Senador Eunício tem neutralizado as negociações e tornado a situação crítica para os trabalhadores na região.

Cerca de 300 famílias Sem Terra ocupam a Fazenda Caieiras, em Goiás


Da Página do MST

Na manhã deste domingo (11), cerca de 300 famílias do MST vindas de três acampamentos, ocuparam a Fazenda Caieiras “Rio dos Patos”, no município de Vila Propício, a cerca de 280 km de Goiânia (GO).

O processo de desapropriação da área já foi iniciado há mais 6 anos, cujo decreto de desapropriação está sob judice por conta de demandas familiares. A área, ocupada pela segunda vez, tem aproximadamente 5 mil hectares e poderia assentar em torno de 200 famílias. 

A história do envenenamento de crianças pelo agrotóxico da Syngenta, em Goiás

Da Campanha Contra os Agrtóxicos

O mono-motor sobrevoou, às 09hs20, do dia 03/05/2013, a escola pública “São José do Pontal”, localizada no Projeto de Assentamento “Pontal dos Buritis”, que abriga 150 famílias, às margens da Rodovia GO-174, no município de Rio Verde/GO, situada a 130 km da área urbana.

Num período de 20min, o piloto sobrevoou por 5 vezes por cima a escola, em especial a quadra de concreto, molhando no total de 60 crianças, que ali se encontravam, com o pesticida “Engeo Pleno”, da empresa Syngenta.

Debate sobre agrotóxicos marca o Dia Mundial da Alimentação em Goiás

Do Consea-GO

O Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional de Goiás (Consea-GO), o Conselho Municipal de Goiânia e o Fórum Goiano sobre Agrotóxicos promoverão na terça-feira, 16 de outubro, um Seminário sobre o Dia Mundial da Alimentação.

Serão realizadas duas palestras: “Impactos do Agrotóxico na Saúde e Meio Ambiente”, que terá como palestrante o professor Wanderlei Pignati, da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT); e “O Papel das Cooperativas da Agricultura Familiar na Produção de Alimentos”, cujo palestrante será Mauro Pereira dos Santos.

Assentados realizam primeira feira de artesanato em Goiás

 

 

Por Iris Pacheco

Da Página do MST 

 

De 07 a 09 de setembro, assentados e assentadas da região de Flores de Goiás e Vila Boa realizam a I Feira de Artesanato da Reforma Agrária.O evento organizado em conjunto com a Cooperar, começa a partir 7 horas da manhã, na avenida BR 020, município de Vila Boa.

 

Polícia Militar agride manifestantes em mobilização pacífica de camponeses

 

Do MCP

 

Nesta terça-feira (10), pela manhã, uma ação truculenta da polícia militar de Goiás deixou várias pessoas feridas, entre elas uma mulher grávida de seis meses. A ação da polícia aconteceu quando centenas de pessoas realizavam uma caminhada pacífica pelas ruas de Catalão (GO). Os manifestantes foram surpreendidos pela violência da polícia do governador Marconi Perillo.

Camponesas entregam documento contra privatização ao presidente da Embrapa

 


Do site do SINPAF

As 500 trabalhadoras rurais da Via Campesina continuam acampadas na Embrapa Arroz e Feijão, no município de Santo Antônio de Goiás, em Goiás, para pressionar o ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, a receber as lideranças do movimento.

A pauta das mulheres será entregue às 16h desta terça-feira (6/3), em Brasília, ao presidente da Embrapa, Pedro Arraes, que receberá uma comissão formada por integrantes dos movimentos sociais.

Cortadores de cana são libertados de trabalho escravo em Goiás

Da Repórter Brasil

O que parecia ser um mero episódio de salários pagos com cheques sem fundo escondia, conforme veio a ser constatado por equipe de fiscalização, mais um caso do trabalho escravo. Depois que um supermercado se negou a aceitar cheques recebidoscomo pagamento pelo plantio e corte de cana-de-açúcar em duas fazendas do grupo Sada em Aragarças (GO), trabalhadores decidiram denunciar o ocorrido à Promotoria de Justiça local.

Libertos mais de 80 trabalhadores em carvoarias de Goiás

Da Repórter Brasil

O funcionamento de 14 carvoarias na zona rural de Jussara (GO), no local conhecido como Vale do Araguaia, dependia de 81 trabalhadores submetidos a condições análogas à escravidão. O quadro de irregularidades foi encontrado pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Goiás (SRTE/GO), em parceria com o Ministério Público do Trabalho (MPT) e a Polícia Federal (PF), entre os dias 22 de fevereiro e 10 de março deste ano.

Bispos da CNBB manifestam “preocupação” com agronegócio

Da Comissão Pastoral da Terra de Goiás

Os 14 bispos que integram a seção Regional Centro-Oeste da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgaram uma carta aberta em que se dizem “preocupados com o avanço do agronegócio” nesta região do país, na quarta-feira (17/3).

Os bispos reafirmam a posição favorável a Reforma Agrágria, o apoio aos movimentos de luta pela terra e lamentam que “reforma agrária deixou de ser prioridade dos governos federal e estadual”.