Sem Terrinha se preparam para jornada no Pará

 

 

Da Página do MST

De 15 a 18, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) realiza a Jornada dos Sem Terrinha do Estado do Pará, com o tema “Cantando e Encantando com as crianças do campo”. O Encontro Estadual das Crianças Sem Terrinha contará com representação de crianças de 07 a 14 anos.

Trabalhadores rurais realizam jornada de lutas em Alagoas


Por Rafael Soriano

Da Página do MST

Milhares de famílias ligadas ao MST ocuparam 12 prefeituras municipais para negociarem medidas que efetivem a Reforma Agrária em todas as regiões de Alagoas, nesta quarta-feira.

Os trabalhadores ganharam as ruas para reivindicar para garantir o envolvimento do poder público local (municipal e estadual) na realização dos direitos básicos da população Sem Terra serão supridos.

Governo escuta demandas do MST em audiência em Alagoas

Com audiência marcada há semanas com o Governo do Estado, o MST se mobilizou cedo na manhã de hoje (20/4), colorindo a Rua do Sol com o vermelho das bandeiras, camisetas e bonés numa caminhada que conduziu até o local da negociação. A audiência começou às 10h, mas sem a presença do Governador do Estado, um mal sinal para as lideranças do Movimento.

No DF, Sem Terra realizam mutirão voluntário

Em celebração ao Dia Nacional de luta pela Reforma Agrária, o MST DF e Entorno realizará amanhã (17/4) um grande mutirão de trabalho voluntário no pré-assentamento Oziel Alves 2, em Planaltina (DF). Na ocasião, um pomar ecológico será implantado, seguido de almoço e debates sobre educação e agroecologia.

A atividade integra a Jornada Nacional de Lutas por Reforma Agrária , em memória ao massacre de 19 Trabalhadores (as) Rurais Sem Terra mortos em Eldorados dos Carajás (PA), em 17 de abril de 1996.

Assentados de Alagoas garantem conquistas com Jornada de Lutas

Por Rafael Soriano

Desde o início da semana, o campo alagoano está assistindo às movimentações do MST para intensificar as conquistas no âmbito da Reforma Agrária em Alagoas. Duas ocupações de fazendas improdutivas e a ocupação simultânea de seis prefeituras municipais exigem uma postura positiva dos governos federal e municipais em relação às demandas das famílias camponesas.

Jornada do MST chega a 42 ocupações pela Reforma Agrária

A jornada de lutas do MST chegou a 42 ocupação de latifúndios, protestos em prédios públicos e marchas em 16 estados, em defesa do assentamento das 90 mil famílias acampadas, pela atualização dos índices de produtividade e por políticas públicas para as áreas de Reforma Agrária.

O MST cobra os compromissos assumidos pelo governo federal, depois da jornada de agosto, que ainda não foram cumpridos.

“Queremos apresentar na jornada a nossa pauta de reivindicações, que está amarela”, afirma o integrante da coordenação nacional do MST, João Paulo Rodrigues.

Em Campinas, Sem Terra promovem ato nesta sexta

O MST e o Sindicato dos Trabalhadores na Agricultura Familiar convidam para ato político em defesa da Reforma Agrária e contra a criminalização dos movimentos sociais às 8h desta sexta-feira (16/4), no acampamento Roseli Nunes e João Calixto, em Campinas.

O acampamento, com 150 famílias, fica na Fazenda Monte D’este, no município de Campinas, que foi declarada improdutiva há dois anos, segundo laudo de vistoria do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Jornada: Sem Terra começam a chegar a Belém

Nesta sexta-feira (16/4), trabalhadores e trabalhadoras rurais ligados ao MST chegam a Belém, no Pará. São esperadas cerca de mil pessoas, vindas dos municípios das regiões norte e nordeste do estado, como Castanhal, Irituia, Capitão Poço, Abaetetuba, Moju, Acará, Bujaru, Barcarena, Benevides e Santa Bárbara, entre outros.

Os Sem Terra participarão das atividades da Jornada Nacional de Lutas por Reforma Agrária, que se realiza memória as vítimas do Massacre de Eldorado de Carajás, ocorrido durante operação da Polícia Militar, em 1996.

Prefeitura de Mossoró é ocupada por Sem Terra do RN

Cerca de 350 famílias ocuparam a prefeitura de Mossoró (RN) nesta quinta-feira (15/4), para apresentar uma pauta de reivindicações que envolve o abastecimento de água aos assentamentos e acampamentos, investimentos em saúde, infra-estrutura para as escolas, coleta seletiva e reciclagem, transporte e comercialização dos produtos agrícolas dos assentamentos.

À tarde, a jornada terá continuidade com uma marcha pelo centro da cidade, com o lema “Lutar não é crime”.

“Reforma Agrária precisa de programa de agroindústrias”

Por Mayrá Lima *

Em audiência pública na Comissão de Legislação Participativa da Câmara dos Deputados, realizada nesta quarta-feira (14/4), o integrante da direção nacional do MST João Pedro Stedile defendeu mudanças no modelo de Reforma Agrária brasileiro. De acordo com ele, é preciso combinar as desapropriações, com o estímulo às agroindústrias, sob técnicas advindas da agroecologia e a educação no campo.

Em Atalaia, trabalhadores rurais bloqueiam a BR 316

Com a negativa do Prefeito em receber a marcha do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Atalaia (AL), os manifestantes decidiram bloquear a rodovia BR-316, que passa pelo município. Desde o início da manhã, cerca de 200 Sem Terra estão mobilizados na cidade, onde fizeram uma caminhada até o Fórum de Justiça para cobrar a resolução de crimes relacionados à luta fundiária e depois se ocuparam a sede municipal.

Jornada: Sem Terra ocupam fazenda no norte do RS

Cerca de 200 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) do Rio Grande do Sul ocupam neste momento uma fazenda na cidade de Sananduva, no Norte do estado. A Fazenda Bela Vista possui 500 hectares. O proprietário da área possui dívidas com o Banco do Brasil e a área ainda é alvo de crime ambiental.

Cinco prefeituras são ocupadas pelo MST em Alagoas

Em meio à Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocupou cinco prefeituras no interior do Estado para reivindicar o avanço das políticas que atendem assentamentos nas regiões. As prefeituras municipais de Delmiro Gouveia, Inhapi, Olho d’Água do Casado, Girau do Ponciano e Atalaia estão ocupadas pelos trabalhadores e trabalhadoras Sem Terra na manhã desta quinta-feira (15/4).

Em Sergipe, três fazendas ocupadas

Na manhã de hoje (15/4), 100 famílias ocuparam a fazenda São Luiz, em Poço Redondo.
Na terça-feira (13/4), outras duas fazendas foram ocupadas no estado. A Água Branca, também conhecida como São José, foi ocupada por 50 famílias, no município de Estância. Na mesma cidade, 50 famílias ocuparam ainda a fazenda Rio Fundo.

As ações fazem parte da Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária e cobram o assentamento de todas as famílias acampadas. Em Sergipe, mais de 12 mil famílias estão acampadas, lutando pelo direito à terra.

Jornada: MST ocupa latifúndio urbano em Fortaleza

Mais de 600 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e do Movimento dos Conselhos Populares ocuparam, na manhã desta quinta-feira (15/4), o Sítio São Jorge, uma fazenda de 800 hectares localizada entre a Avenida Perimetral e a Avenida I, no bairro José Walter, em Fortaleza. “É um latifúndio urbano que pertence a uma família ligada ao capital imobiliário e que continua sem produzir nada, enquanto mais de 150 mil pessoas, entre elas muitas vindas do interior, não têm onde morar nesta cidade”, Marcelo Matos, do setor de comunicação do MST no estado.

“Não se pode protelar mais a realização de uma profunda Reforma Agrária em nosso país”

A desconcentração da propriedade da terra aumentará a produção de alimentos e empregos

Por Antonio Canuto

Secretário da Coordenação Nacional da Comissão Pastoral da Terra (CPT)

O modelo hegemônico de desenvolvimento, subordinado ao capital, tem como uma das suas principais características o ser concentrador. Concentrador da posse e propriedade da terra, das riquezas e do poder. E hoje, está em curso um processo de concentração dos saberes, da tecnologia e da ciência.

Sem Terra de Pernambuco ocupam mais três latifúndios

Famílias de trabalhadores rurais Sem Terra ocuparam mais três latifúndios em Pernambuco na manhã desta quarta-feira (14/4). Com as ocupações de hoje, chegam a 19 as ações da Jornada Nacional de Lutas do MST em Pernambuco, iniciada no último dia 11 de abril.

No município de Arcoverde, 140 famílias ocuparam a FAZENDA DA GRANJA, de 950 hectares. A polícia chegou a rondar o acampamento logo após a ocupação, mas até agora não foi registrado conflito.

MST faz ação na Justiça Federal no Norte Fluminense

Nesta quarta-feira (14), diversas famílias Sem Terra estarão se mobilizando em Campos, na frente da Justiça Federal, na cidade de Itaperuna, norte do Rio de Janeiro. A mobilização faz parte da Jornada Nacional de Luta por Reforma Agrária, que acontece até o fim do mês, em todo o Brasil. A ação será às 16hs.

O objetivo é pressionar a Justiça federal para dar a imissão na posse da Fazenda Santa Maria, para o assentamento das famílias. Em 2008, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) entrou com o pedido de desapropriação, embargado agora no Judiciário.

Sem Terra ocupam mais uma área em SP

Cerca de 300 pessoas ocuparam, na manhã desta quarta-feira (14/4), uma área em Pereira Barreto, na região de Andradina, para denunciar a falta de preservação na região.

“A área deveria ser de preservação, mas está desmatada e abanadonada”, denuncia Irineu de Oliveira, do MST-SP. A área é de responsabilidade da Cia Energética de São Paulo (Cesp), por fazer o canal entre os rios Tietê e São José dos Dourados. “Se a Cesp e o governo de São Paulo fornecerem as mudas, o MST se compromete a reflorestar essa área”, garante Irineu.

Em SC, Sem Terra ocupam fazenda na região serrana

Cerca de 200 familias ocuparam, nesta terça-feira (13/4), uma fazenda em Curitibanos, na região serrana de Santa Catarina. A área, a fazenda Xaxim, já tem decreto de desapropriação e estava pronta para a posse dos Sem Terra, mas o proprietário entrou com uma ação no Tribunal Regional Federal de Porto Alegre e suspendeu a decisão do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). A ocupação é uma forma de pressionar por uma decisão favorável e garantir a área aos trabalhadores rurais.

Em Santa Catarina, cerca de duas mil famílias vivem acampadas.

Em São Paulo, jornada contabiliza nove ocupações

Cerca de 300 pessoas ocuparam, na manhã de quarta-feira (14/4), uma área em Pereira Barreto, na região de Andradina, para denunciar a falta de preservação na região.

“A área deveria ser de preservação, mas está desmatada e abanadonada”, denuncia Irineu de Oliveira, do MST-SP. A área é de responsabilidade da Cia Energética de São Paulo (Cesp), por fazer o canal entre os rios Tietê e São José dos Dourados. “Se a Cesp e o governo de São Paulo fornecerem as mudas, o MST se compromete a reflorestar essa área”, garante Irineu.

Mais uma ocupação no sertão de Pernambuco

Cerca de 100 familias de trabalhadores rurais Sem Terra ocuparam na manhã desta terça-feira (13/4) a fazenda Lagoa das Vacas, no município de Manari, em Pernambuco. Com a ocupação de hoje, chega a 16 o número de ações da Jornada Nacional de Lutas por Reforma Agrária no estado, envolvendo 2.180 famílias.

LUTAR NÃO É CRIME!

Na Paraíba, mais dois latifúndios ocupados

Na manhã desta terça-feira (13/4), trabalhadores rurais Sem Terra promoveram mais duas ocupações de latifúndios no estado da Paraíba.

No município de Cabaceiras, 63 famílias Sem Terra ocuparam a Fazenda Jacaré, que possui 2.730 hectares. O proprietário, Nilton de Sousa Leal, possui várias fazendas pela região e concentra em seu domínio mais de sete mil hectares de terra. A situação está tensa no local.

No município de Algodão de Jandaira, 35 famílias ocuparam a Fazenda Serra Preta.

Chega a cinco o número de ocupações na Paraíba

Zé Dirceu: Ficha perdida do Folhão

Por Zé Dirceu

Patética a última pegadinha da Folha. Vejam o que escreveram: “Ex-ministra da Casa Civil gera desconfiança entre os sem-terra, que não apoiarão formalmente nenhum candidato no primeiro turno”. Não, meus caros, não são os sem terra que disseram ou querem o que está escrito acima, na chamada da matéria da Folha de S.Paulo.

Sem Terra ocupam dois latifúndios no interior de Alagoas

Sem Terra de Alagoas ocuparam, na manhã desta segunda-feira (12/4), dois latifúndios improdutivos no interior do estado. As mobilizações, que vão durar todo o mês de abril, já aglutinam cerca de 150 famílias Sem Terra. Em Alagoas, 5890 famílias aguardam a execução da Reforma Agrária pelo governo.

Chega a 15 o número de ocupações em Pernambuco

Famílias Sem Terra ocuparam mais sete latifúndios em Pernambuco nesta segunda-feira (12/4). Com as ações de hoje chegam a 15 as ocupações da Jornada Nacional de Lutas por Reforma Agrária do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no estado. As ações já envolveram cerca de 2 mil famílias Sem Terra.

Ocupações em todas as regiões

MST acampa em frente ao Incra e inicia jornada em MT

Cerca de 200 homens e mulheres do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Mato Grosso, em Cuiabá, montaram acampamento nesta segunda-feira (12/4) em frente ao Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra), iniciando a Jornada de Lutas por Reforma Agrária, que acontece no mês de abril em todo o Brasil.

Com três ocupações, MST inicia jornada de lutas na Paraíba

Nesta segunda-feira (12/4), 300 famílias montaram acampamento na rodovia PB-415, próximo ao município de Uiraúna, sertão da Paraíba, para reivindicar a desapropriação de três imóveis rurais: a fazenda Rio do Peixe, com 900 hectares, a fazenda Val Paraíso, com 1500 hectares, e a fazenda Canadá, com 700 hectares. Já na região do Vale do Piancó, 60 famílias ocuparam a fazenda Riachão, no município de Ibiara.

Sem Terra ocupam oito latifúndios em Pernambuco

No primeiro dia da Jornada de Lutas por Reforma Agrária em Pernambuco, o MST ocupou oito latifúndios em todo o estado.

Na Zona da Mata, foram três Engenhos ocupados por famílias Sem Terra: no município de Maraial, Mata Sul, cerca de 100 famílias ocuparam o ENGENHO SÃO SALVADOR; no município de Moreno, 130 famílias reocuparam o ENGENHO POÇO DE ANTA, pertencente à Usina Bulhões, de propriedade de
Roberto Lacerda Beltrão; e no município de Gameleira, cerca de 80 famílias ocuparam o ENGENHO PACA.

Atingidos por barragens continuarão mobilizados

Do Setor de Comunicação do MAB

Nesta semana, os atingidos por barragens organizados no MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens), estiveram acampados em várias regiões do país, como parte da Jornada do Dia Internacional de Luta contra as Barragens.

Eles denunciaram a violação dos direitos dos atingidos no processo de implantação de barragens, cobraram a dívida que as empresas e governos têm com esta população e exigiram o cancelamento da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, entre outras barragens projetadas para os rios brasileiros.

Ato público encerra 3ª Ação Internacional da Marcha das Mulheres

Da Marcha Mundial das Mulheres

Após onze dias de caminhada desde Campinas, de onde saíram no dia 8 de março, as duas mil militantes da Marcha Mundial das Mulheres chegam nesta quinta-feira (dia 18) a São Paulo, destino final da 3ª Ação Internacional do movimento. Ao todo, três mil mulheres dos 27 estados brasileiros participaram da chamada Ação 2010, que tem quatro eixos de luta: autonomia econômica das mulheres, paz e desmilitarização, pelo fim da violência sexista e pela defesa dos bens comuns e serviços públicos.

Atingidos por barragens ocupam hidrelétricas na BA e em SC

Cerca de 800 representantes de comunidades atingidas por barragens ocuparam nesta manhã (17/3) o escritório da Companhia Hidroelétrica do São Francisco – CHESF, em Sobradinho (BA). Eles reivindicaram a paralisação imediata dos projetos de construção das barragens de Riacho Seco e Pedra Branca, que ameaçam cerca de 20 mil pessoas, e a suspensão do projeto de Transposição do Rio São Francisco. Além disso, exigem da CHESF o pagamento das dívidas com os atingidos pelas barragens de Sobradinho e Itaparica, construídas nas décadas de 1970 e 1980.

Atingidos por barragens acampam por direitos em Sobradinho (BA)

Do MAB

Na noite desta segunda-feira (15/3), atingidos pelas barragens de Sobradinho, Itaparica, Riacho Seco e Pedra Branca iniciaram um grande acampamento em Sobradinho, na Bahia. No ato de abertura estiveram presentes autoridades e representantes de várias entidades, entre elas prefeitos, religiosos, militantes de movimentos sociais, sindicalistas e outros. Cerca de 500 pessoas participam da ação que faz parte da Jornada do Dia Internacional de Luta contra as Barragens , comemorado no dia 14 de março.

Atingidos por barragens serão cadastrados pelo Incra no Sul

Do MAB

Nesta terça-feira, (16/3), o Movimento dos Atingidos Por Barragens (MAB) montou dois acampamentos em Santa Catarina (SC), como parte da Jornada nacional do 14 de março, dia internacional de luta contra as barragens. Os acampamentos acontecem até amanhã nos municípios de Capão Alto, na BR 116, e em Águas do Chapecó, na comunidade do Saltinho.

Mulheres camponesas se mobilizam também em Sergipe

Na última quarta-feira (10/3), cerca de 1000 mulheres do MST acamparam na Praça Dr. Ranulfo Prata, na capital sergipana, em função do Dia Internacional da Mulher. As camponesas se mobilizaram contra a criminalização dos movimentos sociais, a violência contra as mulheres e o agronegócio. Além disso, defendem a soberania alimentar e energética e os investimentos públicos na agricultura camponesa.

Em Rondônia, atingidos pelo Complexo Madeira montam acampamento

Do MAB

Na manhã desta segunda-feira (15/3), cerca de 300 atingidos pelas barragens de Samuel, Santo Antônio e Jirau, montaram um acampamento na comunidade de Mutum, ao lado da BR 364, em Rondônia. A atividade faz parte da Jornada do Dia internacional de luta contra as barragens, pela água, pelos rios e pela vida, comemorado no dia 14 de março.

Atingidos por barragens promovem Jornada de Lutas

Do MAB

Na próxima semana, o MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens) organizará acampamentos e assembléias em diversas regiões do país. O objetivo é reforçar o debate sobre os direitos dos atingidos e sobre o modelo energético brasileiro. As atividades fazem parte da Jornada do Dia internacional de luta contra as barragens, pela água, pelos rios e pela vida, comemorado no dia14 de março. Em nota, o Movimento convocou todas as entidades a participarem das ações da jornada.

Sem Terra recebe comenda em Alagoas

A militante do MST Débora Nunes recebeu do governo do Estado de Alagoas no último dia 8 de março, Dia Internacional de Lutas das Mulheres, a comenda Nise da Silveira. O título foi criado por decreto estadual para homenagear mulheres que desempenham papel relevante para a sociedade alagoana. Débora Nunes, membro da Direção Nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), recebeu a comenda das mãos da desembargadora Elisabeth Carvalho (presidente do Tribunal de Justiça), a terceira na linha de sucessão do Governo do Estado, na ausência de Teotônio Vilela.

Mulheres do campo e da cidade marcham em São Paulo

Entre os dias 8 e 18 de março, a Marcha Mundial das Mulheres organiza sua 3ª Ação Internacional no Brasil. Neste período, 3 mil mulheres de todas as regiões do país farão uma caminhada entre dez cidades, de Campinas a São Paulo, para dar visibilidade à luta das mulheres brasileiras e reivindicar mudanças em suas vidas.

A Ação começou no Dia Internacional das Mulheres (8/3), em um grande ato público no Largo do Rosário, no centro de Campinas, e termina em São Paulo, no dia 18, em um ato na Praça Charles Miller.

Mulher Sem Terra é homenageada no Maranhão

Na última segunda-feira (8/3), uma cerimônia realizada na Câmara Municipal de Vereadores de Imperatriz (MA) reconheceu a militância em defesa dos direitos das mulheres na região.

Doze mulheres foram homenageadas; entre elas Gilvânia Ferreira, da Direção Estadual do Movimento Sem Terra no Maranhão. Ao ser homenageada, Gilvânia, que não estava presente, foi lembrada pela sua incansável luta junto aos trabalhadores e trabalhadoras rurais Sem Terra de todo Estado do Maranhão, e principalmente pelo trabalho realizado junto as mulheres da Cidade Imperatriz.

No ES, mulheres da Via Campesina se mobilizam contra monocultivo de eucalipto

Nesta quarta (10/3), cerca de 400 mulheres da Via campesina e do Movimento de Mulheres Camponesas (MMC) saíram em marcha do trevo Maria Amélia, em São Mateus (ES), em direção ao centro da cidade, onde realizaram um ato em frente ao Banco do Brasil.

As mulheres lutam contra a criminalização dos movimentos sociais, a violência contra as mulheres, o agronegócio e os monocultivos de eucalipto e cana no Espírito Santo. Além disso, defendem a soberania alimentar e energética e os investimentos públicos na agricultura camponesa.

Camponesas de Pernambuco seguirão pressionando governo do estado

Da CPT

Cerca de 400 mulheres ocuparam na manhã desta segunda-feira (8/3), a Secretaria de Agricultura e Reforma Agraria do estado de Pernambuco. A ação fez parte da “Jornada Nacional de Luta das Mulheres da Via Campesina contra o Agronegócio e contra a Violência: por Reforma Agrária e Soberania Alimentar”, em comemoração ao Dia Internacional de Luta das Mulheres.

No Ceará, mulheres entregam manifesto a autoridades

Dando continuidade à Jornada de luta das mulheres camponesas no Ceará, as 400 mulheres que denunciaram a empresa Nufarm por irregularidades e contaminação do ar e da saúde da população em bairros de Fortaleza nesta segunda-feira (8/3), realizaram marcha e panfletagem no bairro Novo Maracanaú e na Ceasa. À tarde, as mulheres se juntaram às trabalhadoras urbanas da Central de Movimentos Populares (CMP) no Palácio Iracema (Palácio do governo), onde entregaram o manifesto das mulheres da Via Campesina ao Secretário da Casa Civil.

Marcha das mulheres chega a Valinhos

Nesta terça-feira (9/3), as três mil mulheres que participam da 3ª Ação Internacional da Marcha Mundial das Mulheres chegam à cidade de Valinhos. Elas saíram por volta das 6 horas da manhã do ginásio Rogê Ferreira, em Campinas, onde ficaram alojadas após o ato de lançamento, que aconteceu no Largo do Rosário.

O ato contou com a presença das delegações de 25 estados que vieram para a Marcha. Houve apresentações musicais, batucadas e falas sobre os 100 anos do Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março.

Atos em Campo Grande marcam Jornada no MS

Cerca de 300 mulheres da Via Campesina percorreram um total de 20 quilômetros pelas ruas centrais de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, na manhã segunda-feira (8/3).

Com faixas, cartazes e megafones gritando palavras de ordem, elas exigiram melhorias no setor educacional, da saúde e contra a exploração do agronegócio. A ação começou em frente à Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul e acabou na calçada externa do prédio do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), no centro da cidade.

Mulheres do campo doam sangue em MT

Vanderléia da Silva Santos, 34 anos, casada, dois filhos, mora no pré-assentamento Keno, em Cláudia (a 620 quilômetros de Cuiabá). Ela foi a primeira a doar sangue no ato público realizado pelas mulheres do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Via Campesina e Movimento de Mulheres do Campo (MMC), na manhã desta segunda-feira (8/3), na praça da República, centro de Cuiabá.

“Grilagem é crime! Cutrale na cadeia”

Com essa palavra de ordem, 150 mulheres ocuparam na manhã desta segunda-feira (8/3) o Incra de Araraquara (SP). Em marcha, seguiram para a frente da empresa Cutrale, denunciando a grilagem de terras na região. As mulheres exigem a melhoria da infra-estrutura dos assentamentos da região e e arrecadação de terras pertencentes à União, que estão ilegalmente sendo usadas por empresas.

Além da Cutrale, o grupo Nova União controla a fazenda Martinópolis, que é reivindicada pelos movimentos para Reforma Agrária, por ser terra pública.

Três mil mulheres marcharão de Campinas a São Paulo

Cerca de 250 mulheres da Via Campesina se somam às mulheres de várias organizações a partir desta segunda-feira (8/3). Entre os dias 8 e 18 de março, a Marcha Mundial das Mulheres organizará sua 3ª Ação Internacional no Brasil. Neste período, 3 mil mulheres de todas as regiões do país farão uma caminhada entre dez cidades, de Campinas a São Paulo, para dar visibilidade à luta das mulheres brasileiras e reivindicar mudanças em suas vidas.

Mulheres ocupam Secretaria de Agricultura em Recife

Cerca de 400 mulheres da Via Campesina ocupam, desde a manhã desta segunda-feira (8/3), a sede da Secretaria de Agricultura do Estado de Pernambuco, no bairro do Cordeiro, Recife. A ação faz parte da Jornada Nacional de Luta das Mulheres da Via Campesina contra o Agronegócio e contra a Violência: por Reforma Agrária e Soberania Alimentar, em comemoração ao Dia Internacional de Luta das Mulheres.

Em todo o país, camponesas se mobilizam

Somando-se à luta feminista durante este 8 de março, as mulheres da Via Campesina se mobilizam por todo o país para denunciar os malefícios do agronegócio contra a vida e o trabalho das camponesas. Atos, protestos e atividades de formação e estudos acontecem desde a semana passada em todas as regiões do país.

Em Palmas (TO), mulheres marcham e debatem impactos do agronegócio

Mais de 800 mulheres da Via Campesina da região Amazônica e outros movimentos populares de Tocantins fazem uma caminhada em comemoração aos 100 anos de instituição do dia 8 de março nesta segunda-feira (8/3). Pela manhã, as mulheres marcham na avenida JK em defesa da vida, pelos direitos humanos e pela soberania alimentar.

Ontem (7/3), no auditório da Escola de Tempo Integral Padre Josimo, em Palmas (TO), as mulheres debateram os impactos do agronegócio sobre as camponesas.

Deusas do cotidiano

O nome dessas mulheres eu não sei, não lembro e nem preciso saber. São nomes comuns em meio a tantos outros espalhados por esse chão duro chamado Brasil.

Mas a maioria delas eu conheço bem, são donas de um mesmo destino: as miseráveis que roubam remédios para aliviar as angústias dos filhos. É quando a pobreza não é dor, é angústia também. São as ladras de Victor Hugo.

Donas da insustentável leveza do ser, as infantes guerreiras enfrentam a lei da gravidade. Permanecem de pé ante aos dragões comedores de sonhos que escondem na gravidade da lei.

Mulheres do campo e da cidade acampam na Assembléia Legislativa de MG

Mulheres da Via Campesina e dos movimentos urbanos de Minas Gerais, Marcha Mundial de Mulheres, Assembléia Popular e Brigadas Populares estão acampadas na praça da Assembléia Legislativa,seu espaço por direito. Durante os dias 6, 7 e 8 , 500 mulheres se mobilizam para denunciar a situação de opressão em que vivemos por causa do agronegócio, da violência, do machismo, da criminalização e acima de tudo do sistema capitalista.

Mulheres bloqueiam obras de barragem em Rondônia

Durante a manhã desta segunda-feira (8/3), cerca de 200 mulheres do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e da Via Campesina trancaram por uma hora a estrada de acesso ao canteiro de obras da Usina Hidrelétrica de Santo Antônio. Elas estão mobilizadas pelo dia Internacional da Mulher e, em Porto Velho, protestam contra a construção das barragens no rio Madeira e todas as consequências negativas que as obras estão trazendo para a vida das mulheres.

Jornada unifica lutas das mulheres em Alagoas

Os movimentos sociais de Alagoas realizam nesta segunda-feira (8/3) várias iniciativas de mobilização, celebrando a passagem do Dia Internacional de Lutas das Mulheres, com ações nas principais cidades do estado. A Via Campesina, organização que reúne os principais movimentos de luta pela terra, realiza durante toda a semana a “Jornada Nacional de Mulheres Camponesas na Luta Contra o Agronegócio e Contra a Violência: por Reforma Agrária e Soberania Alimentar”.

Trabalhadoras denunciam o Trabalho Escravo no RJ

Na manhã desta segunda-feira (8/3), trabalhadoras da Via Campesina e do Comitê de Erradicação do Trabalho Escravo ocuparam a Usina Capim, em Ururaí, Campos dos Goytacazes.

Em 2009, o estado do Rio de Janeiro liderou os índices de resgate de trabalhadores em situação análoga à escravidão. Foram 715 trabalhadores resgatados pelo Ministério Público do Trabalho, num total de 4.283 em todo o Brasil. A expansão do setor sucroalcooleiro tem intensificado a super exploração do trabalho no estado do Rio de Janeiro, em especial na região de Campos dos Goytacazes.

Na Paraíba, mulheres marcham em defesa de projeto popular de agricultura

Na manhã desta segunda-feira (8/3), ceca de 400 mulheres da Via Campesina marcham pelas ruas do município de Sousa, sertão da Paraíba.

As mulheres comemoram os 100 anos do Dia Internacional de Luta das Mulheres Trabalhadoras e denunciam os abusos cometidos pelo agronegócio, modelo de agricultura que só gera concentração de riqueza, pobreza dos trabalhadores e destruição do meio ambiente.

Mulheres da Via Campesina ocupam usina no Paraná

Neste dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, cerca de 1.000 camponesas da Via Campesina, vindas de várias regiões do estado, ocupam a Usina Central do Paraná, desde as seis horas da manhã, na cidade de Porecatu (norte do Paraná). O ato faz parte da mobilização nacional contra o agronegócio e a violência: por Reforma Agrária e soberania alimentar e denuncia a monocultura da cana e o trabalho escravo.

Mulheres do MST ocupam fazenda pela 5ª vez

Cerca de 180 mulheres do MST reocuparam na manhã deste domingo (7/3) pela quinta vez a Fazenda Uberaba, no município de Bonito, brejo pernambucano.

As mulheres estão nesse momento montando acampamento junto com suas famílias. A ação faz parte da Jornada de Lutas das Mulheres da Via Campesina, com o tema “contra o Agronegócio e contra a Violência: por Reforma Agrária e Soberania Alimentar”.

Mulheres da Via Campesina iniciam Jornada de Lutas em PE

As mulheres da Via Campesina entendem que a única forma de mudar a realidade de exploração e opressão é a luta e a mobilização permanente. Mas essa só dará resultados concretos se feita de forma consciente, compreendendo a realidade para poder transformá-la.

Por isso, esse ano as atividades da Jornada de Lutas das Mulheres da Via Campesina em Pernambuco unirá luta e mobilização, com estudo e debate.

Estudantes fazem vigília contra Parque Tecnológico no RS

Cerca de 100 estudantes, trabalhadores urbanos e camponeses iniciaram, na noite desta quinta-feira (4/3), uma vigília na reitoria da UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Eles passaram a noite no local onde, na manhã desta sexta-feira (5/3), realizam um protesto contra a votação do projeto do Parque Tecnológico.

Mulheres promovem debate durante Jornada em Porto Alegre

A quinta-feira (4/3) foi de atividades internas no acampamento das mulheres em Porto Alegre (RS). Na parte da manhã, ocorreram debates sobre questões feministas, o agronegócio, transgênicos e a produção de alimentos saudáveis, tema da Jornada de luta das mulheres do campo e da cidade deste ano. À tarde, um grupo formado por camponeses, estudantes e trabalhadores urbanos usou o teatro popular para problematizar assuntos como o machismo na família e dentro de casa, no meio rural e a mercantilização do corpo da mulher.

Trabalhadoras do campo e da cidade iniciam jornada de mobilizações no RS

[img_assist|nid=9181|title=Mulheres ocupam Delegacia do MAPA|desc=|link=none|align=right|width=640|height=487]Dezenas de mulheres da Via Campesina, do Movimento de Trabalhadores Desempregados (MTD) e movimentos sindicais ocupam, neste momento, os dois andares da Delegacia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

O Ministério foi ocupado em protesto contra a política de desenvolvimento do governo federal que privilegia o agronegócio, responsável pela produção de alimentos transgênicos, com o uso intenso de agrotóxicos.