Ocupação

Sem Terra ocupam parque industrial da Usina Cambahyba no Rio de Janeiro


Da Página do MST

Cerca de duzentas famílias do MST ocuparam na madrugada desta sexta-feira (2) o parque industrial da Usina Cambahyba, no município de Campos dos Goytacazes. A usina é um complexo de sete fazendas que totaliza 3.500 hectares. Esse latifúndio foi considerado improdutivo, segundo decisão do juiz federal Dario Ribeiro Machado Júnior divulgada no último dia 17 de junho. A área pertencia ao já falecido Heli Ribeiro Gomes, ex-vice governador biônico do Rio, e agora é controlada por seus herdeiros.

Quilombolas ocupam fazenda que se situa dentro de seu território em Minas



Da CPT 

Diante do descaso do Governo Dilma e cansados de esperar, 350 famílias quilombolas de Brejo dos Crioulos, com o apoio da Via Campesina, ocuparam neste sábado (15) a fazenda do empresário Raul Ardito Lerário de Pindamonhangaba (São Paulo).

Há notícias de que um quilombola de nome Roberto foi ferido por um tiro nas costas pelo pistoleiro Zé Reis vulgo, sargento Julião. Um dos pistoleiros morreu após ser levado ao hospital. Outro três funcionários da fazenda foram presos por porte de arma.

Sem Terra ocupam fazenda no norte do Espírito Santo


Da Página do MST

Na última segunda-feira (10), cerca de 130 famílias do MST ocuparam a Fazenda Palmeiras, localizada no município de Montanha, extremo norte do Espírito Santo. A fazenda pertence a família Simão, uma tradicional família da região, a qual detêm terras em diversos municípios do estado, utilizando-as para pecuária extensiva.

Sem Terra ocupam terra grilada no norte de Minas Gerais

 
Da Página do MST

Por Amarildo de Souza Horácio

Na manhã desta quarta-feira (29), cerca de 150 famílias de trabalhadores rurais ligados ao MST ocuparam a fazenda Lajinha, localizada no município de Novo Horizonte, na região Alto do Rio Pardo, norte do estado de Minas Gerais.

Famílias do MST reocupam área da Fepagro em Eldorado do Sul


Da Página do MST

Famílias do MST ocuparam na manhã desta segunda-feira a área da Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária (Fepagro), em Eldorado do Sul. A área já foi destinada para a reforma agrária pelo governador Tarso Genro. A mobilização do Movimento visa apenas dar condições para que os trabalhadores possam de fato ser assentados e começar a produzir alimentos.

MST ocupa Fazenda sonegadora de impostos no município de Serrana (SP)

 


Da Página do MST

Cerca de 200 integrantes do MST da região de Ribeirão Preto ocuparam no último sábado (11) a Fazenda Martinópolis, ligada a Usina Nova União, situada no município de Serrana, estado de São Paulo.

A área está em processo de execução fiscal por parte do governo do estado contra os proprietários da Fazenda Martinópolis que sonegaram impostos.

Pistoleiros ameaçam famílias Sem Terra em Alagoas

 

Por Rafael Soriano
Da Página do MST


Por volta da 1h40 da manhã desta quinta-feira (09/12), 100 famílias de agricultores organizados pelo MST foram surpreendidas por cerca de 20 pistoleiros armados com metralhadora, pistola e revólveres, na Zona Rural de Cacimbinhas (a 175 km de Maceió).

Famílias Sem Terra sofrem despejo em Macaé

Na manhã desta quarta-feira (17), a Polícia Federal deu início ao despejo do acampamento Osvaldo de Oliveira, na fazenda Bom Jardim, em Macaé (RJ). O latifúndio, que foi ocupado por 400 famílias Sem Terra no último dia 7 de setembro, tem 1600 hectares e foi considerado improdutivo pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) ainda em 2006, por não cumprir com sua função social e ambiental.

Quilombolas e Sem Terra ocupam latifúndio em Minas Gerais

Da Comissão Pastoral da Terra Na luta pela conquista do Território Brejo dos Crioulos, nos Municípios de São João da Ponte, Varzelândia e Verdelândia (norte de Minas Gerais), trezentas famílias quilombolas e da Via Campesina ocuparam, nesta quinta-feira, as Fazendas Aparecida, Arapuã e Lagoa da Varanda (de propriedade de Raul Ardito Lerário). O território quilombola, composto por 512 famílias espalhadas em oito pequenas comunidades, abrange 17.309 hectares. As cinco maiores fazendas detêm 13.000 hectares do território.

Trabalhadores rurais realizam jornada de lutas em Alagoas

Por Rafael Soriano Da Página do MST Milhares de famílias ligadas ao MST ocuparam 12 prefeituras municipais para negociarem medidas que efetivem a Reforma Agrária em todas as regiões de Alagoas, nesta quarta-feira. Os trabalhadores ganharam as ruas para reivindicar para garantir o envolvimento do poder público local (municipal e estadual) na realização dos direitos básicos da população Sem Terra serão supridos.

Assentados ocupam prefeitura por educação e saúde em AL

Por Rafael Soriano Da Página do MST Na manhã de hoje (28/09), 150 famílias de trabalhadores rurais organizados pelo MST, ocuparam a Prefeitura Municipal de Craíbas (distante 142km da capital Maceió). As famílias, oriundas dos assentamentos Genivaldo Moura e Rosa Luxemburgo, reivindicam ações concretas da Prefeitura para solucionar problemas nas áreas da educação, saúde e infra-estrutura. Segundo Beto Souza, da direção estadual do MST, “o clima na ocupação está tranqüilo. Mas o prefeito, que se encontra no município, ainda não apareceu para nos receber”.

Depois de acampar em frente ao Incra, Sem Terra do Ceará ocupam avenida em Fortaleza

Centenas de integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) que desde a noite desta segunda-feira (19/4) estão acampados em frente ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) , ocuparam, na manhã desta terça-feira (20/4), a avenida José Bastos, em Fortaleza. A paralisação da avenida visa chamar a atenção da sociedade cearense e pressionar os governos para que sejam atendidas as seguintes reivindicações:

MST se reúne com ministra e ocupa Incra em Fortaleza

Em reunião realizada na tarde desta segunda-feira (19/4), o chefe de gabinete do governador do estado, Almircy Pinto, afirmou à comissão de negociação do MST que o governador Cid Gomes não terá agenda para dialogar com o movimento até a próxima quarta ou quinta-feira. Ele disse ainda que, no lugar de negociar com os trabalhadores – que desde as 8h protestavam em frente ao Palácio Iracema – a prioridade de Gomes era receber um embaixador. O chefe de gabinete ameaçou despejar os manifestantes, que se mantiveram firmes e prometem permanecer em Fortaleza até que seja agendada audiência com o governador.…

Superintendência do Incra é ocupada em Rondônia

Na manhã desta segunda-feira, o MST ocupou a superintendência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Porto Velho (RO). Cerca de 250 Sem Terra de acampamentos e assentamentos discutiram com órgãos locais as pautas nacional e estadual do Movimento. As mobilizações em Rondônia seguem até a próxima sexta-feira (23/4), e no sábado (24/4) acontece o encontro dos amigos e amigas do MST no estado.

“Vamos seguir mobilizados aqui no Pará”, afirma dirigente estadual

O MST ocupou, na manhã desta segunda-feira (19/4), a sede da Superintendência do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) em Belém, como parte das ações da Jornada de Luta Nacional Pela Reforma Agrária, com 500 Sem Terra de acampamentos e assentamentos do Pará. A pauta do Movimento foi apresentada ao superintendente regional do Incra Elielson Silva, pela manhã, mas não houve avanços na negociação. “Não deram respostas às nossas demandas”, disse Ulisses Manaças, da coordenação do Movimento.

Sem Terra do Piauí também ocupam Incra

Na manhã desta segunda-feira (19/4), cerca de 400 Sem Terra ocuparam a superintendência regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Teresina, no Piauí. Foi realizada também uma manifestação em frente ao Ministério da Justiça Federal. Nesta terça (20/4), o MST promove audiência pública na Assembléia Legislativa para discutir a criminalização dos movimentos sociais e o aniversário do Massacre de Eldorado dos Carajás. Na quarta-feira (21/4), os Sem Terra realizam uma ação de solidariedade de doação de sangue na cidade.

MST ocupa Incra em SP

Dando continuidade à Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária, cerca de 500 trabalhadores e trabalhadoras Sem Terra ocuparam, na manhã desta segunda-feira (19/4), a superintendência regional do Incra de São Paulo.

MST ocupa Incra no Rio de Janeiro

Na manhã desta segunda (19/4), cerca de 400 famílias ocuparam a sede da superintendência do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra), no centro do Rio. As famílias permanecem acampadas na capital por tempo indeterminado.

Sem Terra ocupam sede nacional do Incra

Mais de 700 integrantes do MST ocupam, neste momento, a sede nacional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), em Brasília. A ação cobra os compromissos assumidos pelo governo federal depois da jornada de agosto, que ainda não foram cumpridos.

Incra também é ocupado na Paraíba

Na manhã desta segunda-feira (19/4), cerca de 400 trabalhadores rurais Sem Terra de varias regiões do estado da Paraíba ocuparam o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). Os trabalhadores exigem que o governo assente as mais de 90 mil famílias Sem Terra acampadas em todo pais, maiores recursos públicos para a desapropriação de terra, atualização dos índices de produtividade e investimentos públicos nas áreas de assentamentos (créditos para a produção, habitação rural, educação e saúde).

MST ocupa Incra em Pernambuco e monta acampamento com mais de mil trabalhadores

Na manhã de hoje, dia 17, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocupou a Superintendência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) do Recife com mais de 1.000 trabalhadores rurais vindos de todos os acampamentos e assentamentos de Pernambuco. As famílias ficarão acampadas no INCRA pelo menos até o próximo dia 23 de abril.

Jornada do MST chega a 42 ocupações pela Reforma Agrária

A jornada de lutas do MST chegou a 42 ocupação de latifúndios, protestos em prédios públicos e marchas em 16 estados, em defesa do assentamento das 90 mil famílias acampadas, pela atualização dos índices de produtividade e por políticas públicas para as áreas de Reforma Agrária. O MST cobra os compromissos assumidos pelo governo federal, depois da jornada de agosto, que ainda não foram cumpridos. “Queremos apresentar na jornada a nossa pauta de reivindicações, que está amarela”, afirma o integrante da coordenação nacional do MST, João Paulo Rodrigues.

Em Campinas, Sem Terra promovem ato nesta sexta

O MST e o Sindicato dos Trabalhadores na Agricultura Familiar convidam para ato político em defesa da Reforma Agrária e contra a criminalização dos movimentos sociais às 8h desta sexta-feira (16/4), no acampamento Roseli Nunes e João Calixto, em Campinas. O acampamento, com 150 famílias, fica na Fazenda Monte D'este, no município de Campinas, que foi declarada improdutiva há dois anos, segundo laudo de vistoria do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra).

Prefeitura de Mossoró é ocupada por Sem Terra do RN

Cerca de 350 famílias ocuparam a prefeitura de Mossoró (RN) nesta quinta-feira (15/4), para apresentar uma pauta de reivindicações que envolve o abastecimento de água aos assentamentos e acampamentos, investimentos em saúde, infra-estrutura para as escolas, coleta seletiva e reciclagem, transporte e comercialização dos produtos agrícolas dos assentamentos. À tarde, a jornada terá continuidade com uma marcha pelo centro da cidade, com o lema “Lutar não é crime”.

Jornada: Sem Terra ocupam fazenda no norte do RS

Cerca de 200 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) do Rio Grande do Sul ocupam neste momento uma fazenda na cidade de Sananduva, no Norte do estado. A Fazenda Bela Vista possui 500 hectares. O proprietário da área possui dívidas com o Banco do Brasil e a área ainda é alvo de crime ambiental.

Cinco prefeituras são ocupadas pelo MST em Alagoas

Em meio à Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocupou cinco prefeituras no interior do Estado para reivindicar o avanço das políticas que atendem assentamentos nas regiões. As prefeituras municipais de Delmiro Gouveia, Inhapi, Olho d'Água do Casado, Girau do Ponciano e Atalaia estão ocupadas pelos trabalhadores e trabalhadoras Sem Terra na manhã desta quinta-feira (15/4).

Em Sergipe, três fazendas ocupadas

Na manhã de hoje (15/4), 100 famílias ocuparam a fazenda São Luiz, em Poço Redondo. Na terça-feira (13/4), outras duas fazendas foram ocupadas no estado. A Água Branca, também conhecida como São José, foi ocupada por 50 famílias, no município de Estância. Na mesma cidade, 50 famílias ocuparam ainda a fazenda Rio Fundo. As ações fazem parte da Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária e cobram o assentamento de todas as famílias acampadas. Em Sergipe, mais de 12 mil famílias estão acampadas, lutando pelo direito à terra.

Jornada: MST ocupa latifúndio urbano em Fortaleza

Mais de 600 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e do Movimento dos Conselhos Populares ocuparam, na manhã desta quinta-feira (15/4), o Sítio São Jorge, uma fazenda de 800 hectares localizada entre a Avenida Perimetral e a Avenida I, no bairro José Walter, em Fortaleza. “É um latifúndio urbano que pertence a uma família ligada ao capital imobiliário e que continua sem produzir nada, enquanto mais de 150 mil pessoas, entre elas muitas vindas do interior, não têm onde morar nesta cidade”, Marcelo Matos, do setor de comunicação do MST no estado.

Sem Terra de Pernambuco ocupam mais três latifúndios

Famílias de trabalhadores rurais Sem Terra ocuparam mais três latifúndios em Pernambuco na manhã desta quarta-feira (14/4). Com as ocupações de hoje, chegam a 19 as ações da Jornada Nacional de Lutas do MST em Pernambuco, iniciada no último dia 11 de abril. No município de Arcoverde, 140 famílias ocuparam a FAZENDA DA GRANJA, de 950 hectares. A polícia chegou a rondar o acampamento logo após a ocupação, mas até agora não foi registrado conflito.

Sem Terra ocupam mais uma área em SP

Cerca de 300 pessoas ocuparam, na manhã desta quarta-feira (14/4), uma área em Pereira Barreto, na região de Andradina, para denunciar a falta de preservação na região. "A área deveria ser de preservação, mas está desmatada e abanadonada", denuncia Irineu de Oliveira, do MST-SP. A área é de responsabilidade da Cia Energética de São Paulo (Cesp), por fazer o canal entre os rios Tietê e São José dos Dourados. "Se a Cesp e o governo de São Paulo fornecerem as mudas, o MST se compromete a reflorestar essa área", garante Irineu.

Em SC, Sem Terra ocupam fazenda na região serrana

Cerca de 200 familias ocuparam, nesta terça-feira (13/4), uma fazenda em Curitibanos, na região serrana de Santa Catarina. A área, a fazenda Xaxim, já tem decreto de desapropriação e estava pronta para a posse dos Sem Terra, mas o proprietário entrou com uma ação no Tribunal Regional Federal de Porto Alegre e suspendeu a decisão do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). A ocupação é uma forma de pressionar por uma decisão favorável e garantir a área aos trabalhadores rurais. Em Santa Catarina, cerca de duas mil famílias vivem acampadas.

Em São Paulo, jornada contabiliza nove ocupações

Cerca de 300 pessoas ocuparam, na manhã de quarta-feira (14/4), uma área em Pereira Barreto, na região de Andradina, para denunciar a falta de preservação na região. "A área deveria ser de preservação, mas está desmatada e abanadonada", denuncia Irineu de Oliveira, do MST-SP. A área é de responsabilidade da Cia Energética de São Paulo (Cesp), por fazer o canal entre os rios Tietê e São José dos Dourados. "Se a Cesp e o governo de São Paulo fornecerem as mudas, o MST se compromete a reflorestar essa área", garante Irineu.

Mais uma ocupação no sertão de Pernambuco

Cerca de 100 familias de trabalhadores rurais Sem Terra ocuparam na manhã desta terça-feira (13/4) a fazenda Lagoa das Vacas, no município de Manari, em Pernambuco. Com a ocupação de hoje, chega a 16 o número de ações da Jornada Nacional de Lutas por Reforma Agrária no estado, envolvendo 2.180 famílias. LUTAR NÃO É CRIME!

Sem Terra ocupam Itesp em Itapeva

Na manhã desta terça-feira (13/4), cerca de 100 trabalhadores rurais acampados e assentados ocuparam a sede regional do Itesp (Fundação Instituto de Terras do Estado de São Paulo), em Itapeva.

Na Paraíba, mais dois latifúndios ocupados

Na manhã desta terça-feira (13/4), trabalhadores rurais Sem Terra promoveram mais duas ocupações de latifúndios no estado da Paraíba. No município de Cabaceiras, 63 famílias Sem Terra ocuparam a Fazenda Jacaré, que possui 2.730 hectares. O proprietário, Nilton de Sousa Leal, possui várias fazendas pela região e concentra em seu domínio mais de sete mil hectares de terra. A situação está tensa no local. No município de Algodão de Jandaira, 35 famílias ocuparam a Fazenda Serra Preta. Chega a cinco o número de ocupações na Paraíba

Sem Terra ocupam dois latifúndios no interior de Alagoas

Sem Terra de Alagoas ocuparam, na manhã desta segunda-feira (12/4), dois latifúndios improdutivos no interior do estado. As mobilizações, que vão durar todo o mês de abril, já aglutinam cerca de 150 famílias Sem Terra. Em Alagoas, 5890 famílias aguardam a execução da Reforma Agrária pelo governo.

Chega a 15 o número de ocupações em Pernambuco

Famílias Sem Terra ocuparam mais sete latifúndios em Pernambuco nesta segunda-feira (12/4). Com as ações de hoje chegam a 15 as ocupações da Jornada Nacional de Lutas por Reforma Agrária do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no estado. As ações já envolveram cerca de 2 mil famílias Sem Terra. Ocupações em todas as regiões

Com três ocupações, MST inicia jornada de lutas na Paraíba

Nesta segunda-feira (12/4), 300 famílias montaram acampamento na rodovia PB-415, próximo ao município de Uiraúna, sertão da Paraíba, para reivindicar a desapropriação de três imóveis rurais: a fazenda Rio do Peixe, com 900 hectares, a fazenda Val Paraíso, com 1500 hectares, e a fazenda Canadá, com 700 hectares. Já na região do Vale do Piancó, 60 famílias ocuparam a fazenda Riachão, no município de Ibiara.

Sem Terra ocupam oito latifúndios em Pernambuco

No primeiro dia da Jornada de Lutas por Reforma Agrária em Pernambuco, o MST ocupou oito latifúndios em todo o estado. Na Zona da Mata, foram três Engenhos ocupados por famílias Sem Terra: no município de Maraial, Mata Sul, cerca de 100 famílias ocuparam o ENGENHO SÃO SALVADOR; no município de Moreno, 130 famílias reocuparam o ENGENHO POÇO DE ANTA, pertencente à Usina Bulhões, de propriedade de Roberto Lacerda Beltrão; e no município de Gameleira, cerca de 80 famílias ocuparam o ENGENHO PACA.

O MST e a ocupação de terras

Por João Pedro Stedile MENSAGEM DE JOÃO PEDRO STEDILE AO BLOG DE LUIS NASSIF Estimado Luis Nassif, Tenho lido com alguma frequência seus artigos e cumprimento por sua clareza, determinação e coragem. Vi um comentário recente (em http://colunistas.ig.com.br/luisnassif/2010/03/28/sobre-manifestacoes-e-estrategias-politicas/ ), que faz referência a declarações que eu teria dado ao Zero Hora, de Porto Alegre, fazendo uma suposta autocrítica sobre as ocupações de terra.

Decisão em favor da Comunidade Dandara abre precedente histórico no país

É com grande alegria que comunicamos aos amigos e amigas do povo de Dandara e a toda sociedade que foi garantida pelo poder Judiciário (1ª instância), em caráter liminar, a permanência dos moradores da Comunidade na área objeto de litígio, independente das medidas judiciais em curso. A Dandara hoje abriga 887 famílias sem-casa e sem-terra (cerca de 5 mil pessoas) que ocupam um latifúndio urbano no bairro Céu Azul, região da Nova Pampulha, em Belo Horizonte (MG) . Mais do que isso, a Justiça determinou que:

Mais uma cerca do latifúndio é rompida em Minas Gerais

Cerca de 150 integrantes do MST ocuparam, nesta quinta-feira (25/3), o latifúndio Fortaleza de Sant’Anna, em Goianá, na Zona da Mata, a 287 quilômetros de Belo Horizonte. Em nota, os trabalhadores Sem Terra afirmam que “a ocupação desse latifúndio abre nossa jornada de lutas em Minas Gerais. Esperamos que todos os lutadores e lutadoras do povo contribuam divulgando o ato e cobrando das autoridades a imediata desapropriação das terras improdutivas”. Leia abaixo a íntegra do manifesto.

O Editor Amnésico

Por Wellington Emiliano Morais* A cada dia, a sociedade brasileira se entorpece mais com os desserviços que algumas empresas de comunicação promovem. Os seus conteúdos parecem não estar relacionados entre si, tudo é organizado com a intencionalidade de não haver conexão, soltos, prontos para serem consumidos pelos indivíduos que os tem em mãos. Os indivíduos que consomem esse produto entram em estado de anestesiamento perante a realidade que os confronta, tendo apenas sentimentos melancólicos com o mundo em sua volta.

Agricultores permanecem com ocupação em AL

Da CPT Os trabalhadores rurais continuarão ocupando a Prefeitura de São Miguel dos Milagres em busca de melhorias nas estradas de acesso dos assentamentos até à cidade. Cerca de 30 trabalhadores rurais estão ocupando a Prefeitura de São Miguel dos Milagres desde a manhã desta terça-feira (23/3). Eles recebem o apoio da Comissão Pastoral da Terra (CPT) e reivindicam a melhoria das estradas, que ligam os assentamentos Quilombo dos Palmares e Jubileu 2000 à cidade.

Assentados ocupam prefeitura de São Miguel dos Milagres

Da CPT Desde o ano passado, os agricultores buscam melhorias nas estradas que dão acesso até a cidade. A comercialização dos produtos agrícolas, acesso à saúde e escolas estão prejudicados. Trabalhadores rurais que moram nos assentamentos Quilombo dos Palmares e Jubileu 2000, que possuem 71 famílias acompanhadas pela Comissão Pastoral da Terra (CPT-AL), estão ocupando desde as primeiras horas desta terça-feira (23/3) a Prefeitura de São Miguel dos Milagres. Mais uma vez, eles reivindicam a melhoria das estradas e a manutenção das pontes que dão acesso até a cidade.

Atingidos por barragens ocupam hidrelétricas na BA e em SC

Cerca de 800 representantes de comunidades atingidas por barragens ocuparam nesta manhã (17/3) o escritório da Companhia Hidroelétrica do São Francisco - CHESF, em Sobradinho (BA). Eles reivindicaram a paralisação imediata dos projetos de construção das barragens de Riacho Seco e Pedra Branca, que ameaçam cerca de 20 mil pessoas, e a suspensão do projeto de Transposição do Rio São Francisco. Além disso, exigem da CHESF o pagamento das dívidas com os atingidos pelas barragens de Sobradinho e Itaparica, construídas nas décadas de 1970 e 1980.

Camponeses de Alagoas ocupam área de usina falida

Da CPT/ AL Cerca de 100 famílias camponesas ocuparam, no último sábado (13/3), as terras da antiga Usina Bititinga, localizada no município de Messias (AL), falida desde 1994. Trata-se de uma ação conjunta envolvendo a Comissão Pastoral da Terra (CPT) e o Movimento de Libertação dos Sem Terra (MLST) de Alagoas. O imóvel rural foi penhorado na Caixa Econômica, possui várias dívidas e uma parte do território foi arrendada pela Usina Santa Clotilde. Há vários anos o local encontra-se em estado de abandono, coberto por pasto e cana de açúcar.

Camponesas de Pernambuco seguirão pressionando governo do estado

Da CPT Cerca de 400 mulheres ocuparam na manhã desta segunda-feira (8/3), a Secretaria de Agricultura e Reforma Agraria do estado de Pernambuco. A ação fez parte da “Jornada Nacional de Luta das Mulheres da Via Campesina contra o Agronegócio e contra a Violência: por Reforma Agrária e Soberania Alimentar”, em comemoração ao Dia Internacional de Luta das Mulheres.

Assentado do MST deixa delegacia de Alagoas em liberdade

O assentado José Aparecido Costa da Silva, preso desde 28/2, deixou na tarde desta terça-feira (9/2) a delegacia distrital de São Miguel dos Campos. A libertação do Sem Terra aconteceu após um acordo firmado em juízo entre o MST, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e a Associação de Pequenos Produtores Rurais da Fazenda Capim. A reunião entre as partes aconteceu pela manhã no fórum da Comarca de Água Branca.

Assentados gaúchos protestam por melhorias de estradas

Cerca de 250 agricultores assentados em Santana do Livramento, na Fronteira Oeste, protestam desde a manhã desta segunda-feira (8/3) contra as más condições das estradas dos assentamentos. Eles ocuparam o pátio da Secretaria de Obras do município às 8h e passaram a noite no local.

Atingidos por barragens ocupam hidrelétrica de Manso, no Mato Grosso

Cerca de 800 agricultores atingidos por barragens ocuparam, nesta segunda-feira (8/3), a hidrelétrica de Manso, no Mato Grosso. Eles pressionam para o cumprimento do Termo de Acordo Global, feito em 2005, e que ainda não foi cumprido pela empresa estatal Furnas.

Mulheres ocupam Secretaria de Agricultura em Recife

Cerca de 400 mulheres da Via Campesina ocupam, desde a manhã desta segunda-feira (8/3), a sede da Secretaria de Agricultura do Estado de Pernambuco, no bairro do Cordeiro, Recife. A ação faz parte da Jornada Nacional de Luta das Mulheres da Via Campesina contra o Agronegócio e contra a Violência: por Reforma Agrária e Soberania Alimentar, em comemoração ao Dia Internacional de Luta das Mulheres.

Mulheres da Via Campesina ocupam usina no Paraná

Neste dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, cerca de 1.000 camponesas da Via Campesina, vindas de várias regiões do estado, ocupam a Usina Central do Paraná, desde as seis horas da manhã, na cidade de Porecatu (norte do Paraná). O ato faz parte da mobilização nacional contra o agronegócio e a violência: por Reforma Agrária e soberania alimentar e denuncia a monocultura da cana e o trabalho escravo.

Mulheres do MST ocupam fazenda pela 5ª vez

Cerca de 180 mulheres do MST reocuparam na manhã deste domingo (7/3) pela quinta vez a Fazenda Uberaba, no município de Bonito, brejo pernambucano. As mulheres estão nesse momento montando acampamento junto com suas famílias. A ação faz parte da Jornada de Lutas das Mulheres da Via Campesina, com o tema “contra o Agronegócio e contra a Violência: por Reforma Agrária e Soberania Alimentar”.

Jornal transforma em vilãs as vítimas da inércia do Programa Minha Casa, Minha Vida

O Jornal Estado de Minas publicou nesta quarta-feita (3/3/2010) extensa matéria, com destaque na capa, tratando da Ocupação Dandara, no bairro Céu Azul, Nova Pampulha, em Belo Horizonte (MG). Basta ler o título ("Invasão do MST barra obras de casas populares na Pampulha") para concluir que a abordagem feita pelo Jornal ao longo da reportagem possui a clara intenção de colocar a sociedade contra a luta das famílias sem-casa e sem-terra que vivem na Dandara.

Criminalização deixa movimentos sociais alagoanos em alerta

Na tarde do último domingo (28/2), um dia após a reocupação da fazenda Capim, acampamento 1º de Novembro, em Inhapi-AL, o assentado José Aparecido Costa da Silva foi abordado por cinco viaturas da Polícia Militar quando se deslocava de sua casa, no assentamento Frei Damião, para o centro da cidade. O agricultor relata que teve suas algemas tiradas dentro da viatura e que passou cerca de três horas rondando pela zona rural de Inhapi, sendo ameaçado de morte e recebendo pressões dos policiais.

No Maranhão, Ouvidor Agrário tenta evitar despejo

O Desembargador e ouvidor agrário nacional, Gercino José da Silva Filho, fez um pedido formal nesta terça- feira (2/3) ao Juiz Armindo dos Reis Neto, da Comarca de Porto Franco, no sudeste do Maranhão, para que suspenda a liminar de despejo da Fazenda Lote 7, ocupada há treze anos pelo MST. Na área, que tem 1,8 mil ha, vivem 75 famílias desde agosto de 1997, produzindo para sua sobrevivência. No local, muitas casas já foram construídas e muitos investimentos foram feitos, como sítios e plantios de culturas perenes.

Entidades exigem libertação de Sem Terra em AL

Os movimentos sociais de Alagoas iniciam uma grande movimentação para pressionar as autoridades pela libertação de José Aparecido, preso no último domingo (28/2) em repressão à reocupação da fazenda Capim, acampamento 1º de Novembro, na zona rural de Inhapi. Em visita do advogado a Cido, o militante se encontrava abatido e relatou que foi mal tratado. As entidades ligadas à luta pelos Direitos Humanos já estão recebendo os alertas.

Prisão de Sem Terra revela truculência do governo de Alagoas

No último sábado (27/2), cerca de cem famílias ligadas ao MST reocuparam a fazenda Capim, em Inhapi (aproximadamente 275 km de Maceió). As famílias haviam sido despejadas do imóvel por ação da Polícia Militar no dia 2 de fevereiro, quando o governo do estado descumpriu o acordo firmado com o MST e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em dezembro de 2009, durante ocupação da Secretaria de Agricultura.

Acampamento é ameaçado de despejo no Ceará

Acampadas há mais de dois anos, as 40 famílias do acampamento João Sem Terra, em Senador Pompeu, a 240 Km de Fortaleza (CE), receberam nesta segunda-feira (22/2) uma ordem de despejo. Segundo a direção do MST na região, a área reivindicada pelos trabalhadores e trabalhadoras tem mais de 2 mil hectares, é improdutiva e está abandonada. Os e as Sem Terra pretendem resistir no local. Desde o início da ocupação, as famílias vêm sendo ameaçadas por jagunços da fazenda. No Ceará, mais de 1,5 mil famílias vivem acampadas.

Em defesa da Cutrale, polícia aterroriza militantes do MST

Do Brasil de Fato “Não vai levantar não, vagabundo? O senhor usa droga?”. Eram 5 horas da manhã, quando a porta de lona e madeira de Gentil Alves, um senhor de 78 anos, era arrancada por quatros homens. Sozinho em seu barraco, ele viu toda a roupa de sua família ser jogada e revirada no chão.

Ex-policial ameaça acampamento do MST no PR

Na madrugada do último sábado (6/2), cerca de 200 trabalhadores do MST reocuparam a fazenda São Francisco II, grilada pelo tenente-coronel aposentado da Polícia Militar Valdir Copetti Neves, em Ponta Grossa, na região dos Campos Gerais, no Paraná. Após a ocupação, o ex-tenente-coronel foi até o local com um grupo de seguranças, fortemente armados, ameaçando os Sem Terra de morte e disparando vários tiros por cima dos barracos. Ninguém foi atingido.

Sem Terra ocupam fazenda em MG

Na manhã da última segunda-feira (1/2), cerca de 150 famílias de trabalhadores e trabalhadoras rurais Sem Terra ocuparam a fazenda Santa Rosa, um latifundio situado no município de Frei Inocêncio, no Vale do Rio Doce, com 200 alqueires de terras inutilizadas. Na ocupação, estão famílias dos municípios de Mathias Lobato, Chonin, Ampruca, Periquito, Governador Valadares, entre outros. Em Minas Gerais, cerca de 3 mil famílias vivem à espera do assentamento em mais de 40 acampamentos espalhados pelo estado.